Técnica Individual - Art. 20

- Toque de Bola Acima da Cabeça, para o Levantamento e para a Defesa.

- Treinamento do Toque

- Para a Defesa.

- Exercícios para Aprendizagem e Aperfeiçoamento.

 

- Sequência de Exercícios no 13.

 

- Objetivos: - consolidação da técnica de amortecimento do impacto da bola;
  - aprendizagem/aperfeiçoamento da manobra "Reco-Reco”;
  - defesa tendo em vista à transição do sistema defensivo para o ofensivo.

 

Os exercícios desta sequência têm em vista vincular três ações: a Defesa, por meio do Toque acima da Cabeça, o Levantamento e, na continuidade, o Ataque. O objetivo principal é a defesa, que tem ser realizada com qualidade tal que proporcione boa condição para o Levantamento. O Ataque é objetivo secundário.

A fim de desenvolver o desembaraço com que as mencionadas ações devem ser executadas, o exercçios serão mais dinâmicos. Insto é, composto por duas, três, quatro ações consecutivas. Importante: o número de ações deve ser estabelecido levando-se em conta a capacidade física dos atletas.

 

139 - O Treinador/Colaborador sobre uma plataforma posicionada na metade direita (saída da rede) na quadra oposta. Atacando por meio de cortada potente. Os dois jogadores nos posicionamentos para desempenharem as duas funções defensivas, o bloqueio e a defesa. O exercícios é em duas ações.

O primeiro ataque é no jogador-bloqueador (JB), que sai de seu posicionamento (de bloqueio), no momento em que o treinador/colaborador alça a bola. Executar a defesa em sua metade (esquerda) da quadra. Seu objetivo é defender de maneira que a bola fique entre sua linha e a linha do jogador-defesa (JD). Este, se deloca e executa o levantamento na extremidade da rede esquerda. JB ataca.

O segundo ataque é para defesa de JD, por meio do toque acima da cabeça. Seu objetivo é conseguir que a bola fique entre sua linha e a de JB. Este se desloca, executa o levantamento para o ataque de JD na extremidade direita. Realizado o ataque, pausa e reinício para as duas ações seguintes. Importante: no momento em que o treinador/colaborador alça a bola para o ataque, JB recua para o posicionamento defensivo e divide a quadra 1/2 - 1/2 com JD.

Nos diagramas a seguir, a linhas tracejadas verticais, em verde e em azul, representam as linas de JB e JD, respectitivamente. A bola defendida deve ser amortecida para essa faixa da quadra.

 

 

 

 

140 - A mesma dinâmica do exercício 139. Os ataque do treinador/colaborador na outra extremidade da rede (diagramas a seguir).

 

 

 


 

!41 - A mesma dinâmica dos exercícios anteriores, 139 e 140. Agora, no momento em que o treinador/colaborador alça a bola para atacar, JB sai do bloqueio em diagonal para a defesa na diagonal (metade direita), e JD se desloca à esquerda para a defesa do ataque na paralela (metade esquerda) . Após a defesa, JD faz o levantamento para seu ataque na extremidade da rede direita (diagramas a seguir).

 

 

 

142 - Idem, 141, com o ataque do treinador/colaborador sendo desferido da outra extremidade da rede (diagramas a segir).

 

 

 


143 - Agora, o ataque volta a ser desferido da metade direita (saída da rede, da quadra oposta). O exercício tem 4 ações consecutivas:

Primeira: ataque para JB que recua (perpendicularmente) para o posicionamento defensivo, JD executa o levantamento e JB ataca;

Segunda: ataque para JD em seu posicionamento defensivo, JB levanta e JD ataca;

Terceira: novamente ataque para JB que recua (perpendicularmente) para o posicionamento defensivo, JD executa o levantamento e JB ataca;

Quarta: ataque para JD em seu posicionamento defensivo, JB levanta e JD ataca.

144 - Idem exercício 143, também com quatro ataques desferidos da metade direita (saída da rede da quadra oposta). A diferença é que agora JB sai do bloqueio para a defesa na diagonal e JD se desloca lateralmente para a defesa na paralela.


145 - Mesma dinâmica dos exercícios anteriores, também em quatro ações. O ataques voltam a ser desferidos da metade esquerda (entrada da rede da quadra oposta). Duas ações. JB saindo do bloqueio perpendicularmente.

146 - Idem exercício 145, com os ataques do treinador/colaborador sendo desferidos da outra extremidade da rede (metade esquerda da quadra oposta), ou seja, na entrada da rede.

 

- Aspectos a serem considerados durante a execução dos Exercícios.

1 - Nas sequências anteriores, mencionei uma série de aspectos relacionado à execução do Toque acima da Cabeça para a Defesa. Os mesmos se aplicam nos desta.

2 - Repare que nos diagramas apresentados, coloque à Zona de Levantamento (ZL). É a componente tática-individual inserida em exercícios com vistas ao aperfeiçoamento técnico-individual. Um fator que aumenta o grau de dificuldade. Os atletas devem ser capazes de executar a defesa, amortecento o impacto da bola de tal maneira que as mesma fique na ZL; o que facilita a ação seguinte, o levantamento e, na continuidade, o ataque.

3 - O ataque, como mencionado anteriormente, não é tão importante. Mas pode ser fator estimulante para o jogador-levantador; uma coisa é levantar à esmo, a outra é para o ataque do companheiro. Como é óbvio, a motivação é outra.

4 - Nos exercícios com quatro ações, o treinador deve considerar a capacidade física de seus atletas. A duração média é de 30 minutos e intensidade máxima. A natureza do estímulo é anaeróbica lática. É muito importante que todas as quatro ações sejam realizadas com a mesma qualidade.

 


 

- Conclusão.

No decorrer da apresentação dos artigos sobre o Toque acima da Cabeça, enfatizei, até repetitivamente, o grau de importância deste fundamento. No vôlei de praia, o levantamento influi significativamente na performance do time. No vôlei de quadra, as recepções imperfeitas, ou bolas defendidas que saem da quadra, ou que tocam no bloqueio, contam com maior número de jogadores para recuperá-la e torná-la atacável. No de praia, apenas um tem que realizar o levantamento. Muitas vezes em locais distantes dos quais estão posicionados. Isto é, tem que executá-lo após deslocamento longos, feitos com velocidade máxima. Ou seja, têm que executar o levantamento diante das condições mais complicadas. E mais, têm que alcançar máxima eficiência ao longo de todas as partidas.

No voleibol brasileiro existe o que se poderia chamar de uma "cultura" entre o jogadores: a execução do toque é facílima, não requer treinamento. Na minha maneira de entender, esta "cultura" decorre de uma visão estanque do fundamento e da função. O fundamento puro e simples, realmente, não é nada difícil de ser executado. O levantamento, não. Requer a correta execução do fundamento diante de situações de jogo, muitas vezes, bastante complexas.

Dito isso, nada justifica o desmazelo com que alguns treinadores e jogadores têm para com o treinamento do toque. Para eles, é apenas uma parte do aquecimento. É fácil observar treinamentos em que os jogadores começam a sessão dando toques de qualquer maneira, manchete de qualquer maneira, o tradicional ataque e defesa, de maneira preguiçosa, etc... Na realidade, apenas o treinamento específico do levantamento é realizado; em módulos de exercícios técnicos/táticos e no treinamento tático.

Da mesma maneira, o toque para a defesa. Depende de grande capacidade em sua execução. A velocidade da trajetória da bola, atacada com extrema potência, requer ao defensor além da boa execução, a habilidade para amortecer o impacto que a mesma provoca. Logo, repito, não basta o saber dar um toque. O fundamento tem que ser bem aprendido e aperfeiçoado no decorrer de toda a carreira de um atleta. O objetivo deve ser o de capacitar para executá-lo sob as circunstâncias mais complexas.

Os exercícios descritos visam a aprendizagem para os iniciantes, o aperfeiçoamento para os iniciados e um treinamento físico e técnico para os jogadores de alta competitividade, onde são desenvolvidas as qualidades físicas apresentadas na PARTE do Site que trata da Preparação Física (ver Treinamento Orgânico Integrado - TOI). Com a aplicação dos mesmos, ao longo da programação do treinamento, o jogador tem oportunidade de se capacitar e, com isso, obter melhor aproveitamento nos treinamentos físico, técnico-tático e tático.

Sobre a Preparação Física, vale enfatizar a importância de um bom condicionamento. Na areia, após os primeiros exercícios, um jogador não muito bem condicionado perde qualidade na execução do exercícios e compromte a execução dos toques. É extremamente importante a execução perfeita e para isso é conveniente dosar o número e tempo ou repetições das sequências. As mesmas podem ser distribuídas ao longo do período de treinamento, pois há ainda as dos exercícios de manchete, de ataque e defesa e de demais fundamentos.

Tive a preocupação de apresentar as sequências de modo gradativo, ou seja das menos para as mais complexas. A intenção é a de que possam ser adotadas em qualquer nível de competitividade. Cabe ao treinador selecionar aquelas e/ou os execícios mais adequados aos seus atletas.

Finalmente, uma informação. O Just Volleyball está elaborado em três partes: preparação física, técnica individual e estratégias/táticas. Os assuntos de uma parte estão vinculados com os das outras. Sugiro o acompanhamento das três partes, obviamente, tendo em vista um melhor entendimento do vôlei de praia de maneira interligada.

 

Nos próximos artigos abordaremos a Manchete: para a Recepção do Saque, para o Levantamento e para a Defesa

 

Home

Ir para Menu Vôlei de Quadra

  Ir para Menu Estratégias/Táticas DO Sistema Ofensivo - Vôlei de Praia  

 

Ir para Menu Estratégias/Táticas do Sistema Defensivo - Vôlei de Praia

Ir para Menu Vôlei de Praia