Téc. Individual - Art. 08

- Toque de Bola Acima da Cabeça, para o Levantamento e para a Defesa.

- Para o Levantamento.

- Treinamento do Toque

- Exercícios para Aprendizagem e Aperfeiçoamento.

- Sequência de Exercícios no 2

- Objetivo:     - aprendizagem da execução global do fundamento;
  - familiarização com o tempo.

 

 Exercícios para serem realizados individualmente.

 

18 – Cada jogador exercitando-se com uma bola. O jogador alça a bola com as duas mãos sobre sua própria cabeça. Dá um toque, rigorosamente, sobre sua cabeça. No máximo 3 m. Enquanto a bola desce o jogador faz a flexão das pernas e dos braços e os estende quando a bola chega às suas mãos. Dependendo da habilidade do iniciante o treinador/professor pode estabelecer como sequência:

- um toque – segura a bola – outro toque – segura a bola e assim sucessivamente.
- dois toques consecutivos– segura a bola – dois toques – segura a bola e assim sucessivamente.
- 3, 4, 6 .... 8, 9, 10 toques consecutivos, sem parar a bola.

Na figura a seguir, a mecânica do exercício. Repare que uma linha tracejada, em cinza, indica o eixo do corpo. É o posicionamento correto em relação à bola. A bola tem que subir e descer rigorosamente dentro deste eixo.

 

 

Notas

- Nos primeiros passos da iniciação os alunos terão dificuldade para alçar a bola sobre sua cabeça. Depois, dar toques consecutivos. É absolutamente natural. Diante de erros é recomendável parar a bola e reiniciar a sequência.

- Vale lembrar. Os toques devem ser executados com alternância das pernas, Um toque com apoio com uma das pernas, outro com apoio da outra.

 

19 – Mesma mecânica do ex. 18. Um toque para cima (3 m) e para frente. Um passo ou dois e outro toque. Sempre com o mesmo posicionamento do corpo em relação à bola. Número de toques de acordo com o que o professor/treinador estabelecer.

21 – Idem ex. 18. Agora, com um toque de costas. A bola é tocada, ligeiramente, mas ligeiramente mesmo, atrás da própria cabeça (eixo do corpo). A bola tem que sair para o alto (mais ou menos 3 m) para então descrever a curva (máximo 3 m de distância, em relação ao corpo do atleta). A progressão pode ser a mesma; um toque – segura a bola – outro toque – segura a bola ... Depois, consecutivamente 2, 3, 4, ... 8,9, 10 toques. O exemplo, na figura a seguir.

 

 

22 – Mesma mecânica do ex. 21. Um toque de costas para cima (3 m) e para trás. Um passo ou dois para trás, outro toque. Sempre com o mesmo posicionamento do corpo em relação à bola. Número de toques de acordo com o que o professor/treinador estabelecer.

23 – Mesma mecânica do ex. 21. Um toque de costas, para cima (3 m) e para trás (3 m). Um passo ou dois para trás e outro toque e, assim, sucessivamente. Sempre com o mesmo posicionamento do corpo em relação à bola. Número de toques consecutivos de acordo com o que o professor/treinador estabelecer.

24 – Agora, vamos conjugar os toques de frente e de costas. O jogador dá um toque de frente, para cima (3 m) e para frente (3 m), desloca para frente, posiciona-se sob a bola, e dá um segundo toque de costas para trás (3 m) e para bola.

 

 

25 – Idem ex. 25, com 3, 4, 5 ... 8, 9, 10 toques consecutivos. Sempre um para frente e um para trás. O treinador/professor estabelece o número de repetições.

26 – Agora, um toque de costas, desloca velozmente para trás e segura a bola. Outro toque de costas, desloca e segura a bola. E assim por diante por quantas vezes o treinador/professor determinar.

27 – Idem ex. 26, com toques, de costas, consecutivos sem segurar a bola. Toca, desloca de costas, toca, desloca de costas, toca... O treinador/professor estabelece o número de repetições.

28 - Repetir toda a sequência (do exercício 18 ao 27) com Toques em Suspensão.

 

Nota

O deslocamento de costas não é muito fácil, sobretudo para criança e pré-adolescentes. É recomendável exercitá-lo primeiramente sem os toques. Depois, dois toques e para... três toques e para, e assim por diante. Na medida em que forem ganhando boa coordenação, aumentar o número de toques.

 

 

 

- Aspectos a serem observados durante a execução do exercícios.

1 - É muito comum pensar-se que o toque de costas deva ser executado com a acentuação da inclinação do corpo para trás. Não é bom. Com inclinação acentuada do tronco, a tendência é que a bola tenha trajetória retilínea. O correto é não inclinar demasiadamente o troco. Como o toque é para o levantamento, a trajetória bola deve sair, sempre: primeiramente, para cima (sobre a cabeça); depois, para o ponto que se deseja enviar a mesma.

2 - Sobre o exposto no item anterior, a correção é no posicionamento das pernas: uma mais na frente do que a outra. O maior apoio é com a perna que está à frente. Por exemplo: levantamento para a saída da rede, perna direita à frente; para entrada, perna esquerda à frente. Na figura 2 a seguir, uma representação gráfica a título de exemplo. Resumindo. A perna à frente proporciona a alavanca para a extensão do corpo, como todo, que, consequentemente, influi no movimento de impulsionar a bola. Não se deve tocar de costas com as duas pernas paralelas.

 

 

 

3 - Um ponto a ser observado e corrigido, pelo menos na iniciação. A bola deve sair - sempre - primeiramente para cima, depois para o alvo. Com crianças, existe um recurso de comunicação válido: pedir que elas toquem a bola na direção do céu.

4 - Nos exercícios com toques consecutivos o erro ocorre com elevada frequência, pelo menos na fase de iniciação. O atleta quer consertar com a bola em movimento. Dá vários toques errados e... não conserta. O melhor é parar a bola e recomeçar a sequência.

5 - A Sequência de Exercícios com o Toque em Suspensão deve ser realizada por atletas que dominem a técnica do Toque com os Pés no Chão. Ou seja em nível bem mais avançado.

 

Continuação no art. 09 com outra Sequência de Exercícios

Home

Ir para Menu Vôlei de Quadra

  Ir para Menu Estratégias/Táticas DO Sistema Ofensivo - Vôlei de Praia  
 

Ir para Menu Estratégias/Táticas do Sistema Defensivo - Vôlei de Praia

Ir para Menu Vôlei de Praia