Téc. Individual - Artigo 06

- Toque de Bola Acima da Cabeça, para o Levantamento e para a Defesa.

- Para o Levantamento.

- Treinamento do Toque

Antes de iniciar a apresentação das Sequências de Exercícios para o treinamento do Toque, considero importante fazer algumas observações. O objetivo é o de fornecer elementos importantes para enriquecer o treinamento e, com isso, obter com o melhor aproveitamento possível.

1 - Diferenciação Fundamento - Função.

O Fundamento é o Toque. A Função é o Levantar, o Defender, o Passar. Nesta etapa os exercícios terão em vista a aprendizagem, para aqueles que não sabem ou têm dificuldade de executar, e para aqueles que já sabem e desejam aperfeiçoar a execução do Toque. Portanto, é bom não confundir. O atleta tem que, primeiro, aprender a executar o Toque corretamente de todos os Tipos e Maneiras. Mais tarde, aí sim, utilizá-lo para executar as funções do jogo, desempenhar suas atribuições.

É muito comum haver a confusão. Por exemplo. A sessão é para a aprendizagem e o treinador estabelece: "vamos executar tantas levantadas". Ora, o atleta que não sabe ou tem dificuldade para tocar, muito provavelmente encontrará enorme dificuldade para fazer o levantamento. Resultado: o atleta, de modo geral, não aprende nem a tocar corretamente nem a levantar. Ou seja, o aproveitamento não será o desejado, os objetivos podem não ser alcançados.

2 - Qualidades Indispensáveis para a correta execução.

O Toque é executado em diversas situações de jogo, desde as mais simples até as mais complexas. Por este motivo, o toque requer treinamento acurado. O treinador deve observar e fazer com que os jogadores observem três componentes importantes que influenciam diretamente na qualidade do toque e, consequentemente, na precisão que quer se dar à trajetória da bola.

- Velocidade,

- Coordenação Motora,

- Relação Tempo-Espaço.

2. 1. Velocidade.

Uma vez aprendida a execução do toque, o próximo passo é aproximar a execução às situações de jogo. Isto é, no jogo o jogador quase sempre tem que se deslocar para se posicionar sob a bola. A velocidade é necessária, sobretudo nos deslocamentos, para atingir-se o local ideal para a execução do toque: embaixo da bola. Sabemos que em muitas ocasiões - recepção imperfeita, defesa em que a bola não é controlada, etc., a bola não é direcionada para a Zona de Levantamento. Nestas situações, o jogador tem que se deslocar com velocidade máxima, a fim de posicionar-se adequadamente em relação ao ponto em que a bola se encontra. Ou seja, com o corpo exatamente sob a mesma.

2.2. Coordenação Motora.

A Coordenação Motora é requerida de duas maneiras:

a - o toque é o produto final de um movimento de todo o corpo: pernas, coxas, tronco, braços, mãos e dedos. Basta que uma dessas componentes não seja coordenada com as demais para que a precisão fique comprometida.

b - o toque é executado, quase sempre, após um deslocamento realizado com variadas velocidades. A Coordenação requerida, no caso, é entre o final do deslocamento e a execução do toque.

 

Nota

São pouco frequentes as situações de jogo em que o toque de bola é executado no local em que o jogador se encontra. Geralmente é executado após deslocamentos em diferentes velocidades. Por essa razão as duas qualidades são interligadas e o toque, por consequência, deve ser treinado após diferentes tipos de deslocamento.

 

2.3. Relação Tempo-Espaço.

Esta qualidade é inata no jogador. Como tal, pode não ser facilmente adquirida com o treinamento. Mas pode, sim, ser melhorada até que se obtenha capacidade altamente eficiente. Na linguagem voleibolística é identificada como "mão", isto é, é usual dizer-se que um Levantador tem ou não tem "mão". Assim, o Levantador que tem "mão" é aquele que consegue, sem esforço, com naturalidade, colocar a bola no ponto ideal para o atacante. Isto ocorre porque possui, inerente a ele, a relação tempo-espaço correta.

3 - Aplicação da Força.

O Treinador deve ministrar os primeiros exercícios com vista à aprendizagem do Toque em distâncias curtas, a fim de que seus atletas não tenham que fazer força para impulsionar a bola. A aplicação da força com a execução incorreta não é apropriada. Pode resultar em "vícios" que mais tarde se tornam incorrigíveis. Na medida em que houver assimilação da técnica correta, a distância deve ser aumentada gradativamente. É necessário salientar que a trajetória não resulta da força, mas sim da execução coordenada de todos os movimentos envolvidos em sua execução.

Feitas essas observações vamos as Sequências de Exercícios. Vale enfatizar que o processo de aprendizagem é longo. O de aperfeiçoamento, então, deve ser eterno. Enquanto um atleta jogar voleibol deve se preocupar em aperfeiçoá-lo; em algum momento de sua carreira será colocado a prova e...

 

Cont. no art. 07, com Sequências de Exercícios para a Aprendizagem e o Aperfeiçoamento do Toque

 

Home

Ir para Menu Vôlei de Quadra

  Ir para Menu Estratégias/Táticas DO Sistema Ofensivo - Vôlei de Praia  
 

Ir para Menu Estratégias/Táticas do Sistema Defensivo - Vôlei de Praia

Ir para Menu Vôlei de Praia