Técnica Individual - Art. 10

 

- Exercícios para a Aprendizagem e o Aperfeiçoamento dos Meios de Ataque - Parte IV.

- Sequência de Exercícios no 07.

 

- Objetivos: - coordenação entre a aproximação para o ataque, o salto e os golpes na bola;
 

- equilíbrio do corpo - no ar - para a execução dos golpes;

 

- execução o ataque após a execução da recepção do saque.

Até a sequência 06, os exercícios tiveram como objetivo precípuo a aprendizagem e o aperfeiçoamento da técnica individual dos meios de ataque. A partir desta, os objetivos passam a ser outros. Isto é, associar a execução dos meios de ataque às funções do jogo. Por exemplo:

- ataque após a recepção do saque;

- ataque após a defesa;

- ataque após a saída do bloqueio.

Enfim, será requerida a execução dos meios de ataque como conclusão de uma ação ofensiva. Os jogadores terão a oportunidade de se familiarizarem com procedimentos essenciais e que influenciam a ação final (o ataque). Isto é, os deslocamentos que devem fazer após a execução de algumas funções, situação frequente do jogo. As mesmas já preparam os atletas para as atribuições táticas coletivas.

 

100 – Os jogadores posicionados nos pontos em que fazem a recepção do saque. O treinador/colaborador saca (sem qualquer dificuldade), no terço médio da quadra, para os dois jogadores, de modo alternado. O que não recepciona faz a função do jogador-levantador. O que recepciona faz a primeira aproximação, espera a bola sair das mãos do jogador-levantador, faz a aproximação final, salta aponta a bola, com o dedo indicador da mão que não ataca, e ataca por meio de uma cortada, no terço final, em qualquer ponto, da quadra oposta. A preocupação é de apenas acertar o golpe.

101 – Idem ex. 100, com o ataque, por meio de cortada, no terço final da quadra, na diagonal.

102 – Idem 100, com o ataque, por meio de cortada, na paralela.

103. – Idem 100, com o ataque, por meio de cortada, no centro do terço final da quadra oposta.

104 – A mesma mecânica dos exercícios anteriores, agora com o ataque do tipo “Lob”. Isto é, a bola tem que passar cerca de 1 m sobre o bordo superior da rede e descair no terço final da quadra oposta, na paralela.

105 – Idem 104, com o ataque na diagonal.

106 – A mesma mecânica dos exercícios anteriores, com o ataque por meio do golpe tipo “Cut”/Caixinha. A bola também tem que passar cerca de 1m do bordo superior da rede, O ataque é no terço inicial da quadra oposta.

107 – Idem 106, com ataque na diagonal.

 

A mesma mecânica dos exercícios anteriores. A seguir, o treinador utilizará um meio auxiliar. Uma tabuleta afixada numa haste vertical para simular um bloqueio (figura a seguir). Os atacantes têm que atacar a bola, à direita, à esquerda e por cima da mesma.

 

 

 

 

Nota

O colaborador que segura a tabuleta deve se posicionar rigorosamente à frente do corpo do atacante.

 

108 – Ataque por meio de cortada, no terço final da quadra, na paralela.

109 – Idem 108, com o ataque na diagonal.

110 – Ataque do tipo “Lob”, no terço final da quadra, na paralela.

111 – Idem 110, com o ataque na diagonal.

112. – Ataque por meio da “Cut"/Caixinha”, no terço inicial da quadra oposta, na paralela.

113 – Idem 112, com o ataque na diagonal.

114 – A mesma mecânica dos exercícios anteriores, agora com o golpe por meio do “Soco”, no terço final da quadra, na paralela.

115 – Idem 105, com o ataque, por meio do “Soco”, no terço final da quadra, na diagonal.

116 – A mesma mecânica dos exercícios anteriores, com o ataque, por meio do "Soco" no terço inicial, da quadra oposta, na paralela.

117 – Idem 116, com o ataque, por meio do "Soco", no terço inicial, da quadra oposta, na paralela.

 

Nota

No artigo anterior, 09, estão apresentados exercícios específicos apenas para o meio de ataque “Soco”.

 

- Aspectos a serem observados durante a execução dos exercícios.

 

1 - A recepção do saque não é o objetivo principal. Por isso, o saque é apenas para colocar a bola em jogo, iniciar o exercício. A partir da recepção, sim, começa a valer. O jogador faz a primeira aproximação, isto é, desloca-se, rapidamente, do ponto em que executa a recepção até o local em que espera a bola sair das mãos do jogador-levantador. Levantada a bola, realiza a aproximação final, por meio de passadas largas.

No diagrama a seguir, duas linhas horizontais representam:

- o ponto em que os jogadores realizam a recepção do saque e iniciam a primeira aproximação;

- o ponto em que os atacantes fazem a aproximação final para o ataque.

 

 

 

 

2 - Embora a recepção não seja objetivo principal, numa fase inicial ocorrerão muitos erros. Nenhum problema. Diante de um erro o treinador deve repetir o saque. Os jogadores devem se familiarizar com a situação do jogo. Ou seja, recepcionar e partir para o ataque. Para isso, a boa recepção contribui bastante para o sucesso final da ação.

3 - Uma boa aproximação final, com passadas largas, facilita a execução de um bom salto. Deve ser absolutamente equilibrado e com intuito de alcançar a bola no ponto mais alto possível.

4 - O mecanismo de apontar a bola induz o atacante a saltar aproveitando-se ao máximo dos movimentos dos braços (movimento de elevação).

5 – Os golpes devem ser desferidos no ponto alto mais possível, com o braço estendido e de cima para baixo; a exceção do “lob” e do “soco”. É muito comum, nos golpes por meio de “largada”, o atacante tocar a bola na face inferior da bola. Ou seja, a mesma sobe para depois descer. Não é bom. A bola deve ser tocada no centro ou no centro-superior. A trajetória da bola, na medida do possível, deve ser descendente. Na foto a seguir, um exemplo.

 

 

Foto de Ari Gomes

 

6 – A tabuleta é meio auxiliar útil para dar referência (semelhante ao bloqueio) ao atacante. O colaborador que a segura é muito importante. Deve posicioná-la rigorosamente defronte ao corpo do atacante, de maneira que o mesmo possa atacar, pelos dois flancos e, tendo capacidade, por cima.

7- Aspecto da maior importância: a expressão corporal de todos os golpes. O atacante deve se aproximar, saltar e executar os movimentos do tronco e dos braços, sempre, com a expressão corporal de um ataque por uma cortada com máxima potência. No exato momento do golpe, opta pelo tipo mais apropriado.

A observação tem em vista alertar para o fato de que, muitas vezes, o atacante realiza os procedimentos que precedem o golpe deixando transparecer, deliberadamente, que vai largar. Indícios claros: passadas mais lentas, movimentos mais lentos do corpo e dos braços e, o pior: deixar a bola cair, do ponto ideal para a cortada.

Ora, o bloqueador e/ou o defensor, no caso, podem perceber. No caso, descartam o ataque por meio da cortada. E se prepararem para outros tipos de golpe. É, sem dúvida, uma vantagem que não se deve dar ao adversário.

 

Continuação no art. 11, com outra Sequência de Exercícios

 

Home

Ir para Menu Vôlei de Quadra

  Ir para Menu Estratégias/Táticas do Sistema Ofensivo - Vôlei de Praia  

 

Ir para Menu Estratégias/Táticas do Sistema Defensivo - Vôlei de Praia

Ir para Menu Vôlei de Praia