Técnica Individual - Art. 08

- Exercícios para a Aprendizagem e o Aperfeiçoamento dos Meios de Ataque - Parte V.

- Sequência de Exercícios no 05.

 

- Objetivos: - aperfeiçoamento do fundamento;
 

- coordenação entre passadas, salto e golpe na bola;

  - equilíbrio do corpo - no ar - para a execução dos golpes;
  - tempo do ataque.

 

Exercícios sugeridos nessa sequência contarão con auxílio do treinador/professor. E vão se aproximando da realidade do jogo. Ele e/ou um colaborador alçam a bola e o atacante espera a saída da bola de suas mãos para executar passadas, salto e o golpe. A bola deve ser alçada cerca de 1 m de distância da rede, de maneira que o atacante tenha espaço suficiente para realizar o salto, os movimentos do tronco e dos braços.

 

50 – O atleta afastado a 1,5 m da rede. O professor/treinador, afastado 1 m da rede. Isto é, entre o atleta e a rede. Alça a bola com altura de cerca de 3 m. O atleta salta, realiza os movimentos do tronco e dos braços e golpeia a bola para a o terço final da quadra oposta.

 

 

51 – O atleta afastado a 2,5 da rede. O professor/treinador no mesmo ponto do ex. 1. Alça a bola 3 metros de altura. O atleta dá uma passada larga, salta, realiza os movimentos do tronco e dos braços e golpeia a bola para a o terço final da quadra oposta.

52 – Mesma mecânica do exercício 50. O atleta afastado cerca de 3,5 m. O professor no mesmo ponto. Alça a bola a cerca de 3 m. O atleta dá duas passadas, salta, realiza os movimentos do tronco e dos braços e golpeia a bola para o terço final da quadra oposta.

 

Nota

Também nesta sequência o treinador pode adotar o educativo (da sequência anterior) de apontar a bola com o dedo indicador (da mão que não ataca). É válido, pois contribui para aperfeiçoar a utilização dos movimentos dos braços para auxiliar a impulsão.

 

53 – O atleta a 1,5 m da rede, como no ex. 50, ataque sem passada, na paralela, no terço final da quadra oposta.

54 –. Idem, o ataque sem passada, na diagonal, no terço final da quadra oposta.

55 – O atleta afastado a 2,5 da rede. O ataque com uma passada, para a paralela, no terço final da quadra oposta.

56 – Idem ex. 55, ataque com uma passada, para a diagonal, no terço final da quadra oposta.

57 – O atleta afastado a 3,5 m da rede. O ataque com duas passadas, para a paralela, no terço final da quadra oposta.

58 – Idem ex. 57. Ataque com duas passadas, para a diagonal, no terço final da quadra oposta.

59 – Observando-se a mesma mecânica dos exercícios anteriores. O ataque é do tipo “Lob”. Ou seja, a bola deve passar a cerca de 1 m sobre o bordo superior da rede e descair no terço final da quadra oposta. Sem passada, na paralela.

60- Idem ex. 59. O ataque, “Lob”, sem passada, na diagonal.

61 – O atleta, com “Lob”, afastado a 2,5 m da rede. O ataque, com uma passada, na paralela.

62 – Idem ex. 61. O ataque (“Lob”) com uma passada, na diagonal.

63 – O atleta afastado a 3,5 m da rede. O ataque ("Lob"), com duas passadas, na paralela.

64 – Idem ex. 63. O ataque ("Lob"), com duas passadas, na diagonal.

65 – Observando-se a mesma mecânica dos exercícios anteriores. O ataque agora é do tipo “Cut"/Caixinha”, nas diagonais curtas. Ou seja, a bola deve passar a cerca de 1 m sobre o bordo superior da rede e descair no terço inicial da quadra oposta. Sem passada, na paralela.

66 – Idem ex. 65. O ataque “Cut"/Caixinha”, sem passada, na diagonal.

67 – O atleta afastado a 2,5 m da rede. O ataque “Cut"/Caixinha”, com uma passada, na paralela.

68 – Idem ex. 67. O ataque “Cut"/Caixinha”, com uma passada, na diagonal.

69 – O atleta afastado a 3,5 m da rede. O ataque “Cut"/Caixinha”, com duas passadas, na paralela.

70 – O atleta afastado a 3,5 m da rede. O ataque “Cut"/Caixinha”, com duas passadas, na diagonal.

71 – Mesma mecânica dos exercícios anteriores. O ataque agora é com o Soco, sobre o bloqueio e nas diagonais curtas. Ou seja, a bola deve passar a cerca de 1 m sobre o bordo superior da rede e descair no terço inicial da quadra oposta. Sem passada, na paralela.

72 – Idem ex. 71. O ataque com Soco, sem passada, na diagonal.

73 – O atleta afastado a 2,5 m da rede. O ataque com Soco, com uma passada, na paralela.

74 – Idem ex. 73. O ataque com Soco, com uma passada, na diagonal.

75 – O atleta afastado a 3,5 m da rede. O ataque com Soco, com duas passadas, na paralela.

70 – O atleta afastado a 3,5 m da rede. O ataque por meio do Soco, com duas passadas, na diagonal.

71 - Mesma mecânica dos exercícios anteriores. O ataque agora é por meio de "Shot"/Meia-Batida. A bola deve passar pelo menos a 1 metro acima do bordo superior da rede. Os ataques devem ser direcionados para o terço final da quadra, ora para a paralela, ora para a diagonal. Ataque, sem pasada, na paralela.

72 - Idem ex. 71. O ataque por meio "Shot"/Meia-Batida, com uma passada, na paralela.

73 - Idem ex. 72. O ataque por meio "Shot"/Meia-Batida, com uma passada, na diagonal.

74 - Idem exercícios anteriores. O ataque por meio "Shot"/Meia-Batida, com duas passadas, na paralela.

75 - Idem ex. 74. O ataque por meio "Shot"/Meia-Batida, com duas passadas, na diagonal.

 

- Aspectos a serem observados durante a execução dos exercícios.

 

1. – Como sempre, os exercícios devem ser realizados nas duas extremidades da rede.

2. – Como o estágio é de aprendizagem e de aperfeiçoamento das habilidades, a potência dos golpes não é importante.

3. – O professor/treinador deve alçar a bola, no máximo, a meio metro da rede. Evitar aproximar a bola do bordo, para não tolher os movimentos dos braços e dificultar a aquisição do equilíbrio do corpo no ar.

4 – A qualidade do salto resulta, além da força explosiva dos grupos musculares das pernas e das coxas, dos seguintes aspectos técnicos.

 

- No ataque sem passada: - no amplo e veloz movimento de elevação dos braços.

 

- No ataque com uma passada: - no comprimento da passada;
  - na coordenação entre a passada e o salto;
  - no amplo e veloz movimento de elevação dos braços;

 

- No ataque com duas passadas: - no comprimento das passadas;
  - na velocidade de execução das duas passadas;
  - na coordenação no final das passadas e o salto;
  - no amplo e veloz movimento de elevação dos braços;

A observação destes aspectos deve ser uma preocupação do treinador e dos atletas. A qualidade do golpe e, consequentemente, a precisão do mesmo é influenciada e muito pelo equilíbrio do corpo no ar; decorrente de um bom salto.

5 – As largadas do tipo “Lob” e por meio da “Cut"/Caixinha” são meios de ataque muito técnicos. Executá-los e ainda fazer com que a bola passe a cerca de 1 m do bordo superior da rede, não é tarefa muito simples. A fim de facilitar a correta execução dos mesmos, vale recorrer a um simples meio auxiliar: uma tabuleta.

Na figura a seguir, o desenho da mesma. Um colaborador a segura as hastes verticais e se posiciona rigorosamente na frente do corpo do atacante, que passa a ter um valioso ponto de referência; semelhante ao bloqueio.

 

 

 

 

6 – Nos exercícios em que o golpe é por meio de “largada”, o treinador deve insistir para que a bola seja golpeada no ponto mais alto possível, de maneira que a trajetória da bola seja de cima para baixo. Na representação a seguir, a comparação entre as trajetórias. A mais indicada (em azul) é, praticamente, retilínea, portanto mais rápida. A menos indicada (em vermelho), a bola sobe para depois descer e, por conseguinte, torna-se mais lenta.

 

 

 

 

Continuação no artigo 09 com outra Sequência de Exercícios

 

Home

Ir para Menu Vôlei de Quadra

  Ir para Menu Estratégias/Táticas do Sistema Ofensivo - Vôlei de Praia  

 

Ir para Menu Estratégias/Táticas do Sistema Defensivo - Vôlei de Praia

Ir para Menu Vôlei de Praia