Estratégias/Táticas - Art. 23

- Sistema Ofensivo - Estratégias / Táticas

 

- Tática Coletiva Levantamento e Ataque

 

Nos artigos sobre a Técnica Individual, foram focalizados, de modo detalhado, todos os aspectos relacionados aos fundamentos do Levantamento – por meio do Toque Acima da Cabeça e por meio da Manchete – e do AtaqueCortada e Recursos de Ataque. A correta execução destes fundamentos – de todos os tipos e maneiras – é absolutamente essencial para desempenhar as funções do Levantamento e do Ataque.

No decorrer da apresentação dos artigos sobre Estratégias / Táticas, é extremamente útil acessar o Menu Técnica Individual para tirar dúvidas, buscar idéias relembrar procedimentos, etc.

Serão abordadas uma a uma todos os Tipos de Bolas utilizadas em todos os níveis de competitividade. Na seguinte ordem.

 

1 – Bola Alta nas Extremidades e no Centro da Rede.

2 – Bolas “Chutadas” nas Extremidades da Rede.

3 – Meia Bola

4 – Bolas de Tempo: - próximas ao levantador;

- afastadas do levantador.                         

5 – Bolas Atacadas do Fundo.

 

Nota

 

Nos artigos sobre a Técnica Individual (de 53 a 63) estão disponíveis 97 exercícios para a aprendizagem e o aperfeiçoamento dos fundamentos de ataque. Neles, é sugerida a prática do ataque das bolas mencionadas na divisão acima. Vale comparar aqueles com os que se seguirão.


 

1 - Bola Alta nas Extremidades da Rede.

 

É utilizada em diversas situações de jogo.

 

Prática Comum nas equipes de iniciantes. É o primeiro passo no processo de aprendizagem de iniciantes. Não requer, como em outros tipos de bolas, grandes qualidades físicas (força, força explosiva, por exemplo). Não requer acurado “tempo de bola”, uma vez que, é uma ação lenta. E, acima de tudo, a capacidade para ataca-la é, diria, um imperativo para todos os jogadores de voleibol.

 

- Opção Tática utilizada por equipes de todos os níveis de competitividade. Nem toda equipe dispõem de atacantes ecléticos que atacam qualquer tipo de bola. Ou, muitas equipes possuem jogadores exímios no ataque da bola alta. Logo, nada impede de uma equipe, seja for seu nível, adote a bola alta nas extremidades da rede como estratégia de ataque.

 

- Alternativa Única em ocasiões em que a bola não chega às mãos do levantador, na Zona de Levantamento. Por mais elaborada e diversificada for e estratégia ofensiva de equipe, em muitas ocasiões não poderá executá-la. Quase sempre pelo fato do levantador não dispor da bola na Zona de Levantamento, para executar a mesma. Logo, o ataque da bola alta é a uma das alternativas para resolver essas situações de jogo.

 

Nota

 

No voleibol de alta competitividade, nestes casos algumas equipes recorrem, também, aos Ataques do Fundo.


 

- Procedimentos do Levantador.

 

1 - Deslocar-se com velocidade máxima para o ponto da quadra em que executará o Levantamento, de maneira se posicionar rigorosamente sob a bola.

No diagrama a seguir, as zonas da quadra em que mais o levantador atua, com maior freqüência (botões verde), e os deslocamentos que tem que fazer para a Zona de Levantamento (retângulo próximo a rede):

 

- do posicionamento defensivo, na pos. 1;

- do posicionamento no bloqueio, na pos. 2, da rede;

- do posicionamento de recuperação de uma bola “largada”, na pos. 4.

 

 

Dos mesmos posicionamentos para pontos em que pode ser obrigado a fazer levantamentos (botões vermelhos):

- na pos. 1, do meio para o fundo da quadra;

- na pos. 6, do meio para o fundo da quadra;

- na pos. 5, do meio para o fundo da quadra.

- fora da quadra, no prolongamento da pos. 1;

- fora da quadra, no prolongamento da pos. 5.

Nota

Em alguns destes pontos muito provavelmente o levantamento terá que ser feito por meio da manchete.

 

2 - Posicionar-se de frente para o ponto da rede em que deseja fazer o levantamento. Na medida do possível, executá-lo por meio do Toque de Frente. Não conseguindo, deve ser capaz de executar o levantamento por meio de diferentes tipos e maneiras de toques e/ou manchetes.

 

3 - Graduar a altura com que a bola sai de suas mãos, dependendo do ponto da quadra em que o levantamento é executado, de maneira que a mesma chegue à rede, no ponto desejado e na altura desejada; quanto mais distante da rede mais alta a bola tem que sair das mãos do levantador.

 

4 - Avaliar a extensão, a altura e o afastamento da bola em relação à rede, de acordo com a característica de cada atacante.
Na representação gráfica a seguir, duas trajetórias da bola alta. A azul é a ideal, ou seja, a bola é atacada bem na extremidade da rede, próxima da antena limítrofe. A vermelha, a chamada bola curta. Não é boa. Dificulta o ataque para determinados pontos da quadra oposta. Por exemplo, para a diagonal, com o bloqueio bem posicionado, torna-se muito difícil. Na paralela, é necessária muita habilidade.

 

 

Nos diagramas a seguir, uma comparação utilizando uma visão do alto. O espaço ocupado pelo bloqueio, o afastamento da bola em relação a rede e o tamanhos da quadra são igual nos dois diagramas. A única diferença: o posicionamento do bloqueio, mais perto e mais afastado em relação à antena; exatamente como procedem nestes casos, os bloqueadores adversários.

No primeiro, da direita, a bola próxima da antena (trajetória azul). Repare que a paralela está protegida e na diagonal tem uma faixa considerável, na qual o atacante pode direcionar seu ataque.

No segundo, a curta (trajetória vermelha). O atacante pode direcionar para a paralela (muito difícil), mas a faixa para a diagonal diminui muito, em relação à bola mais comprida.

 


 

- Procedimentos dos Atacantes.

 

1 - Posicionar-se para última aproximação de acordo com o ponto da quadra em que é realizado o levantamento.

No grupo de diagramas a seguir, representações gráficas para exemplificar os casos.

No primeiro (da direita) o levantamento da Zona de Levantamento. O atacante (botões verdes) pode sair de dentro da quadra, porque a trajetória da bola será entre ele e o levantador. Caso queira, pode sair mais para fora, ou seja, de acordo com sua conveniência.

No segundo, um levantamento do centro da quadra. Repare que o atacante saindo do mesmo ponto do exemplo anterior (botões verdes), o ângulo da trajetória da bola, em relação a ele é imprópria para, por exemplo, ter uma visão boa do bloqueio e da quadra da equipe oponente. Ele deve se afastar lateralmente (botões vermelhos), a fim de propiciar melhor ângulo para a passagem da bola e, consequentemente, uma melhor visão da quadra oposta.

No terceiro, o ponto do levantamento é mais no fundo da quadra ainda. Repare que saindo do mesmo ponto (botões verdes) o ângulo torna-se mais agudo ainda; a impressão que se tem é a de que o cortador receberá a bola às suas costas. Logo, ele tem que se afastar, lateralmente, ainda mais (botões azuis), com intuito de propiciar angulação possível para a passagem da bola.

 

 

Nota

Este procedimento é muito importante para que o atacante seja capaz de direcionar a bola para qualquer ponto da quadra; paralela e/ou diagonal. Sem a angulação adequada é muito difícil, por exemplo, atacar a bola na paralela.

 

2 - Aguardar a saída da bola das mãos do levantador para – só então – fazer a aproximação final para o ataque.

- Fazer a aproximação final com passadas largas, saltar verticalmente, a fim de obter o máximo de equilíbrio do corpo no ar.

- Golpear a bola no ponto mais alto possível, obviamente de acordo com o alcance de cada qual.

 

Nota

 

Os aspectos da técnica individual mencionados acima são essenciais para eficácia do ataque da bola alta. Vale lembrar que tais aspectos estão detalhados nos artigos no Menu Técnica Individual.

 

 

- Procedimentos Coletivos.

 

1 - No momento em que a bola chega às mãos do levantador, todos os atacantes devem estar no ponto em que fazem suas aproximações finais. No diagrama da esquerda, o exemplo. O círculos em vermelho significam os pontos em que os dois atacantes da bola alta estavam posicionados para a recepção do saque. Os botões vermelhos, os pontos em que os mesmos fazem suas aproximações finais para o ataque.

 

 

Notas

- Em alguns sistemas de recepção um dos atacantes participa. No caso, ele faz a primeira aproximação (do ponto em que está recepcionado até o ponto em que faz a aproximação final) e no momento do levantamento já deve estar posicionado para a aproximação final. No diagrama da esquerda (anterior) é possível visualizar a movimentação; o círculo e a linha tracejada, ambos em vermelho, significam o posicionamento na recepção e o deslocamento para o ponto da aproximação final.

- Coloquei um botão vermelho na pos. 3 (centro da rede), pois algumas equipes de iniciantes utilizam a bola alta também no centro da rede.

- Sobre os pontos para a aproximação dos atacantes (diagramas a seguir), os jogadores utilizam dois tipos de aproximação: partindo de dentro e partindo de fora da quadra. A primeira, na pos 4, é mais apropriada para atacantes canhotos; a segunda para destros. A primeira, na pos. 2, é mais apropriada para atacantes destros; a segunda para canhtos.

 

 

 

2 – Executado o levantamento, todos os jogadores têm que se deslocar para os seus posicionamentos de Cobertura do Ataque.

No diagrama a seguir, um exemplo de Cobertura do Ataque. Considerando a ordem de saque ao lado 1-2-3-4-5-6 e o levantador (1) na pos. 1 infiltrando para fazer o levantamento. Primeiramente, a disposição da Recepção do Saque. 4 e 2 (em vermelho) são os atacantes das bolas altas. Depois, a disposição da cobertura com todos os jogadores se deslocando no momento em que a bola é levantada. Alguns pontos comuns:

L – o levantador (em verde) está sempre presente e é o primeiro homem da cobertura (o único que sabe o ponto em que a bola será levantada);

No 3 – atacante da pos. 3 (não ataca) e se posiciona no centro da disposição;

No 5 – correspondente de 4 cobre imediatamente atrás;

No 6 – cobre atrás de 2, uma vez que, L infiltrou e cobre paralelamente à rede.

 

 

Nota

 

Em Estratégia / Táticas, do artigo 30 ao 45 B Cobertura de Ataque está focalizada com máximo detalhamento.

 

3 – Atacada a Bola Alta, são três as ações sucessivas:

1 – marcação do ponto;

2 – bloqueio pela equipe adversária que a cobertura do ataque recupera; a equipe tem que realizar o re-ataque;

3 – defesa pela equipe adversária, a equipe tem que realizar a transição do sistema ofensivo para o defensivo.

 

No art. 23 A - Bola Alta no Centro da Rede

Home

Ir para Menu Vôlei de Quadra