Estratégias/Táticas - Art. 34

- Estratégias/Táticas Defensivas.

- Estratégias / Táticas - Defensivas.

- Combinações de Ataque.

 

As Estratégias/Táticas Coletivas de uma equipe é maneira como ele se organiza nos seus Sistemas Defensivo e Ofensivo, bem como faz as Transições de um Sistema para o outro.

O Sistema Ofensivo é definido a partir de alguns fatores fundamentais, ou seja.

a - do aproveitamento das aptidões e características individuais:

- dos jogadores que recepcionam o saque;

- do levantador;

- e dos atacantes.

b - da elaboração da estratégia e de algumas alternativas táticas pela quais a equipe atacará;

c - da distribuição equilibrada dos jogadores (de recepção, de levantamento e de ataque) em cada um dos seis rodízios, tendo em vista tornar a equipe eficiente em todos os seis.

Notas

- Sobre este último item, o treinador norte-americano, Doug Beal - Campeão Olímpico, em Los Angeles, 1984 - tem um pensamento interessante: o jogo de voleibol é um jogo de seis jogos. Ou seja, o primeiro rodízio da sua equipe contra o primeiro rodízio da equipe adversária, o segundo da sua contra o segundo da adversária e assim por diante.

- No voleibol atual foram desenvolvidos programas de informática altamente sofisticados que possibilitam o conhecimento fidedigno do aproveitamento dos jogadores que recepcionam o saque, do levantador e dos atacantes. Este meio facilita a distribuição dos jogadores pelos seis rodízios.

 

O Sistema Defensivo, por sua vez, também é definido considerando alguns fatores:

a - conhecimento absoluto da capacidade dos bloqueadores e defensores da equipe, ou seja:

- do discernimento tático individual dos jogadores (bloqueadores e defensores);

- da estatura dos bloqueadores para cada tipo de bola levantada pelo levantador (1a. Bola, 2a. Bola, etc...);

- do aproveitamento de cada bloqueador;

- do aproveitamento e nível de habilidade de cada defensor;

- da capacidade dos jogadores suplentes para atribuições específicas (por exemplo, um alto para bloquear, um hábil para defender, etc...), a fim de suprirem deficiências (eventuais/circunstanciais) dos jogadores titulares e/ou serem utilizados em momentos decisivos.

b - conhecimento da capacidade dos sacadores da equipe que, se eficazes, criam enormes dificuldades para a execução da estratégia ofensiva da equipe adversária.

c - conhecimento da estratégia ofensiva (combinações e alternativas táticas) da equipe adversária, inclusive as mais utilizadas em cada um dos seis rodízios.

d - conhecimento das características individuais dos jogadores da equipe adversária, isto é:

- do aproveitamento dos jogadores que recepcionam o saque, inclusive dos suplentes;

- do aproveitamento dos levantadores, em cada tipo de bola e na execução da estratégia ofensiva como todo;

- do aproveitamento de cada atacante, em cada tipo de ataque.

 

Nota

Quanto ao levantador, sobretudo os que atuam no sistema 5-1, existem vários elementos que contribuem para conhecê-lo melhor. Por exemplo:

- suas virtudes e deficiências/limitações na execução dos fundamentos da técnica individual requeridos para o levantamento;

- sua distribuição das bolas, isto é, a porcentagem de levantamento de 1a. Bolas, 2a. Bolas, Bolas nas Extremidades da Rede e Bolas para o Ataque de Jogadores do Fundo da Quadra;

- sua preferência por uns ou outros atacantes;

- sua maior ou menor confiança nos atacantes, em momentos decisivos;

- sua capacidade de cumprir a estratégia estabelecida e sua criatividade diante das dificuldades;

- seu perfil psicológico/emocional;

- etc...

Considerando estes fatores, a elaboração da Estratégia Defensiva e das Alternativas Táticas para a equipe é bastante trabalhosa. Requer, primeiro e sobretudo, muito estudo da sua própria equipe e da equipe adversária. Depois, método, isto é, trabalho paulatino de encaixe da todas as peças; qualquer semelhança com o jogo de xadrez é mera coincidência.

Nos capítulos/artigos anteriores abordei - de modo até repetitivo - as qualidades físicas indispensáveis para a execução dos fundamentos da técnica individual, requeridos para execução do Sistema Defensivo, e o discernimento tático individual requerido e fundamental para o desempenho das atribuições no bloqueio e na defesa.

Nos que se seguem focalizarei a Estratégia Defensiva tendo em vista neutralizar ou mesmo diminuir o poder das ações ofensivas da equipe adversária.

Na parte que tratei da Tática Individual apresentei os tipos de bolas mais utilizados, uma a uma, com o maior rigor no detalhadamente. Agora, você poderá avaliar a importância de tanto detalhamento, uma vez que, apresentarei todas elas inseridas em uma única ação ofensiva, os seja, nas Combinações de Ataque. Para cada Combinação serão apresentados procedimentos de bloqueadores de defensores.

 

Cont. no art. 35, com a Evolução das Combinações de Ataque

Home

Ir para Menu Vôlei de Quadra