Estratégias/Táticas - Art. 19

- Estratégias / Táticas Defensivas

- Segundas Bolas das Combinações de Ataque - "Meia Bola".

 

A 2a. Bola da Combinação, também chamada de Bola de 2o. Tempo, é uma "Meia Bola". Em comparação com a Bola de Tempo (1o. Tempo), é um pouco mais alta - entre 1 e 2 metros em relação ao bordo superior da rede - e fração de tempo mais lenta.

Para o ataque da "Meia Bola" o cortador aguarda a saída da bola das mãos do levantador, executa no máximo duas passadas, salta e a ataca. A 2a. Bola é utilizada de modo vinculado às combinações de ataque, como artifício para dificultar a ação do bloqueio da equipe adversária. Ou seja, é atacada muito próximano ao local em que o bloqueador saltou para bloquear a bola de 1o. Tempo, de maneira que não haja tempo um segundo salto.

O ponto da rede em que a 2a. Bola é atacada depende da combinação, a saber:

- 2a. Bola Finalizada, por atacante da rede, do Meio para a Saída da Rede;

- 2a. Bola Finalizada, por atacante da rede, do Meio para a Entrada da Rede;

- 2a. Bola Finalizada, por atacante do fundo, no Terço Central da Rede.

 

Nota

Este último caso, como mencionado anteriormente, é uma criação da Seleção Brasileira, a partir da década de 90. É a segunda bola executada, praticamente, no mesmo tempo das bolas de 1o. Tempo. Recentemente, Geovane, Nalbert, Giba e Dante, vêm demonstrado impressionante aproveitamento no ataque dessas bolas.

 


 

- 2a. Bola Finalizada, por atacante da rede, do Meio para a Saída da Rede.

 

- Combinações de Saída da Rede:

- Desmico da Cabeça Frente;

- Volta da Desmico da Cabeça Frente;

- Desmico para Trás;

- Volta da Desmico para Trás;

- Desmico da China com 1 Pé na Saída;

- Volta da Desmico da China com 1 Pé na Saída.

 

A seguir, apresentarei como exemplo, as combinações Desmico da Cabeça Frente e Volta da Desmico da Cabeça Frente. Poderia focalizar, uma a uma, todas as outras. Entretanto, penso que não é necessário. Os pontos da rede onde ocorrem os ataque nas combinações finalizadas do meio para a saída da rede são os mesmos - terço central da rede e saída da rede (pos. 2). Os procedimentos de bloqueadores e defensores também são os mesmos. Ou seja, estaria repetindo excessivamente todos esses procedimentos.

Nota

Há um grande número de combinações possíveis a serem elaboradas do meio para a saída da rede. Coloquei as mais utilizadas. Nos capítulos em que são focalizadas, especificamente, as Estratégias e Táticas Coletivas, veremos outras mais. O importante é que o Produto Final seja constante, isto é, uma "Meia Bola" do meio para a saída da rede.

 

- Combinações Desmico e Volta da Desmico (diagrama a seguir).

Nos diagramas a seguir, a representação gráfica das combinações. No diag. 1, a Desmico da Cabeça Frente. A3 ataca a 1a. Bola, Cabeça Frente, e o A2 ataca a 2a. Bola no terço central da rede. (linha tracejada em vermelho). No diag. 2, a Volta da Desmico, A3 ataca a mesma Cabeça Frente e A2, inicia - simula - o mesmo trajeto da Desmico, volta e ataca na saída da rede - pos. 2 (linha tracejada em veremelho).

 

 

 

Nota

A combinação é denominada de Saída porque toda a ação (1a. e 2a. Bola) está concentrada do meio para a saída da rede. É denominação utilizada no voleibol brasileiro. Em outros países, como Estados Unidos e Itália, por exemplo, são utilizados números.


- Procedimentos no Bloqueio.

 

1 - Bloqueadores colocados na Posição Fundamental (PF), aguardam o resultado da recepção do saque.

2 - Como a bola apropriada às combinações, permanecem na PF.

3 - Definido o levantamento da 2a. Bola.

 

- Na Combinação Desmico ("Meia Bola"no Centro da Rede).

 

B3 - Caso salte para o bloqueio da 1a. Bola (sua responsabilidade primeira), tem que tentar, ao tocar o solo, ajustar-se (com uma Passada de Ajuste) e saltar novamente para o bloqueio da 2a. Bola.
   
 

- Caso opte por não saltar para o bloqueio da 1a. Bola, desloca-se para o ponto em que a bola foi levantada (com uma Passada de Ajuste) e, no tempo exato, salta para o bloqueio da 2a. Bola.

Notas

- Seja qual for a manobra adotada, o B3 tem duas alternativas: saltar ou não saltar para o bloqueio da 1a. Bola. De qualquer forma, seu procedimento é o mesmo, o seja, ajustar-se para o melhor posicionamento em relação ao ataque.

- Na Manobra Invertida o B3 não salta para o bloqueio da 1a. Bola. A atribuição é desempenhada pelo B4. Neste caso, o B3 fica esperando a 2a. Bola. Essa manobra atualmente é pouco utilizada.

 

B4

- Caso esteja auxiliando o B3 e salte para o bloqueio da 1a. Bola, tem que tentar, ao tocar o solo, ajustar-se (com uma Passada Natural ou Longa) e saltar novamente, com o B3, para o bloqueio da 2a. Bola.

   
  - Caso não esteja auxiliando o B3 no bloqueio da 1a. Bola, seu posicionamento é desfavorável para o bloqueio da 2a Bola no centro da rede. Deve ficar atento á bola "largada" atrás do bloqueio.

 

No diagrama a seguir, você pode reparar que o B4 já está posicionado para auxiliar o B3 no bloqueio da 1a. Bola.

 

 

Nota

O objetivo da execução das combinações de ataque é justamente o de complicar a ação dos bloqueadores da equipe adversária. No caso, repare os posicionamentos do B3 e do B4. O B4 terá dificuldade para compor o bloqueio duplo na Desmico. Na Volta da Desmico, a dificuldade será do B3.

 

 

B2 - Caso esteja na Formação Fechada, tem que se deslocar (com uma Passada Lateral) e tentar o bloqueio da 2a. Bola no centro da rede.
   
  - Caso esteja na Formação Aberta (marcando o cortador da bola na extremidade da rede) está muito afastado do ponto em que a 2a. Bola é atacada. Todavia, deve tentar aproximar-se e, não conseguindo, encarrega-se da bola "largada" atrás do bloqueio (diagrama anterior).


 

- Procedimentos na Defesa.

 

1 - Defensores colocados na Posição Fundamental (PF).

2 - Com o passe apropriado às combinações, permanecem na PF.

3 - Definido o levantamento da 2a. Bola.

 

D1 - Defesa da bola atacada que passa à direita do bloqueio (simples ou duplo). Com o bloqueio simples (grande probabilidade) o ângulo para o atacante é maior e, conseqüentemente, a área para o defensor também aumenta.
  - Bola que toca no bloqueio e sai da quadra à direita.
  - Segunda ação, após a defesa de um companheiro.
  - Defesa das bolas "largadas": no centro da quadra, quando o bloqueio for simples de B3; atrás e/ou à direita do bloqueio (dentro da zona de ataque) quando o bloqueio for duplo (B3 e B2)

 

Nos diagramas a seguir, as áreas de atuação do D1. No diag. 4, a área na qual ocorre a maior incidência das bolas atacadas, quando o bloqueio é simples (B3). No diag. 5, as áreas de maior incidência das bolas "largadas". Repare que quando o bloqueio é duplo (B3 e B2), a bola à direita do bloqueio, dentro da zona de ataque é de responsabilidade do D1. B4, que é o responsável pela largada atrás do bloqueio, dentro da zona de ataque, não tem como recuperar a bola "largada" à direita do bloqueio, dentro da zona de ataque.

 

 

 

D5 - Defesa da bola atacada que passa à esquerda do bloqueio (simples ou duplo).
  - Defesa da bola "largada" à esquerda do bloqueio, atrás da linha de ataque. Se o B4 estiver no bloqueio duplo, é sua, também, a "largada" à esquerda do bloqueio, dentro da zona de ataque.
  - Defesa da bola que toca no bloqueio e sai da quadra à esquerda.
  - Segunda ação, após a defesa de um companheiro.

 

 

 

D6 - Defesa da bola atacada para o fundo da quadra que passa à direita ou à esquerda do bloqueio.
  - Defesa atacada por cima do bloqueio.
  - Defesa da bola que passa entre os bloqueadores.
  - Defesa da bola que toca no bloqueio e vai para o fundo ou para fora da quadra, inclusive as que encobrem os D1 e D5.

 

 

 


 

- Na Combinação Volta da Desmico ("Meia Bola" na Saída da Rede).

 

D1 - Defesa da bola atacada que passa á direita do bloqueio (simples ou duplo). Com o bloqueio simples (grande probabilidade) o ângulo para o atacante é maior e, conseqüentemente, a área para o defensor também aumenta.
  - Bola que toca no bloqueio e sai da quadra à direita.
  - Segunda ação, após a defesa de um companheiro.
  - Defesa da bola "largada" atrás da linha de ataque, no centro da quadra para a direita; dentro da zona de ataque é do B2, que não participa do bloqueio.

Nos diagramas a seguir, estão demonstradas as áreas de atuação do D1. No diag. 10, no caso do bloqueio simples. Seu posicionamento é mais para dentro da quadra, diante da possibilidade do ataque ser mais para baixo. No diag. 11, com o bloqueio duplo (B4 e B3), a faixa é mais exígua. No caso, seu posicionamento pode ser mais atrás. Em destaque (em vermelho), a região onde a recuperação da bola "largada" é atribuição do D1. Isto é, atrás da linha de ataque, até o centro da quadra.

 

 

 

D5 - Defesa da bola atacada que passa à esquerda do bloqueio (simples ou duplo).
  - Defesa da bola "largada" sobre o bloqueio (simples ou duplo), atrás da linha de ataque, até o centro da quadra. A defesa da bola "largada" dentro da zona de ataque é atribuição do bloqueador que não participa do bloqueio: B3 no caso do bloqueio simples; B2, no caso do bloqueio duplo.
  - Defesa da bola que toca no bloqueio e sai da quadra à esquerda.
  - Segunda ação, após a defesa de um companheiro.

 

 

 

Notas

- Repare nos diagramas anteriores. O 12, mostra que a faixa pela qual o D5 tem que dar conta. Quando o bloqueio é simples ele fica frente a frente com o atacante. O ataque mais fácil é para a diagonal. Todavia, o bloqueador, de modo geral, quase sempre, protege mais a diagonal. Com isso, a incidência de bolas atacadas ali é bastante alta. O tempo de reação no caso da cortada forte é mínimo. Por isso, o D5 não tem qualquer responsabilidade de defender a bola "largada", dentro da zona de ataque. No 13, com o bloqueio duplo, embora a faixa para o atacante colocar a bola seja muito estreita, os atacantes de categoria conseguem colocar. A bola "largada" e de responsabilidade do B2, que não participa do bloqueio. Cresce a freqüência das bolas que batem no bloqueio e saem da quadra pela esquerda.

- É pratica comum as equipes utilizarem o Líbero, para esta atribuição. Como é óbvio, geralmente o mais capacitado na defesa.

 

D6- Defesa da bola atacada para o fundo da quadra que passa à direita ou à esquerda do bloqueio.
 - Defesa atacada por cima do bloqueio.
 - Defesa da bola que passa entre os bloqueadores.
 - Defesa da bola que toca no bloqueio e vai para o fundo ou para fora da quadra, inclusive as que encobrem os D1 e D5.
 - Segunda ação, após defesa de um companheiro.

 

Nota

Nos diagramas a seguir, o posicionamento do D6, com os bloqueio simples e duplo. Repare que com o bloqueio simples seu posicionamento é mais à frente. As seta que indicam os sentidos direita/esquerda, significam que, de acordo com a determinação tática, ele pode se deslocar, antecipadamente, a fim de proteger a bola que passa pelo bloqueio, tanto à esquerda quanto à direita. Nos caso, estará dividindo a área com D5 e D1, respectitivamente.

 

 

 

 

Até este ponto abordei as Combinações Desmico de Volta da Desmico. Nas 2as. Bolas da Combinação é preciso que se atente para o fato de que elas efetivamente ocorrem em fração de tempo imediatamente após à 1a. Bola. Esta peculiaridade faz com que bloqueadores e defensores disponham de tempo extremamente curto para analisarem a jogada, fazerem deslocamentos e, enfim, tomarem a decisão adequada para seus posicionamentos.

No início do artigo estão listadas as combinações Desmico para Trás, Volta da Desmico para Trás, Desmico da China com 1 Pé na Saída da Rede e Volta da Desmico da China com 1 Pé na Saída. Os pontos da rede em que as bolas são atacadas nessas combinações, são muito semelhantes aos das Desmico e Volta da Desmico, apresentados de modo detalhado até este ponto. Ou seja, no terço central da rede e na saída da rede (pos. 2).

Os procedimentos de bloqueadores e defensores também são muito semelhantes. As diferenças são mínimas. Na parte em que são focalizadas, especificamente, as estratégias e táticas para as combinações de ataque, todas as combinações serão abordadas com todo o detalhamento necessário. Por isso, penso que não haja necessidade de mencioná-las agora.

 

Cont. no art. 20, com Combinações Finalizadas do Meio para a Entrada da Rede

Home

Ir para Menu Vôlei de Quadra