Estratégias/Táticas - Art. 18

- Estratégias / Táticas Defensivas

 

- Bolas levantadas para o ataque dos jogadores da Zona de Defesa (continuação).

 

D - Bolas Atacadas do Fundo com Bloqueio Triplo.

 

A bola atacada do fundo passível de bloqueio triplo pela equipe adversária decorre de circunstância rara; muito provavelmente de qualquer erro. Por exemplo.

- Por absoluta impossibilidade - por qualquer motivo - de levantamento para qualquer outra bola. De modo geral, decorrente de passes em que a bola é levantada distante da zona de levantamento. No caso, a melhor opção seria a bola alta em uma das extremidades da rede. Muitas vezes o levantador não consegue - ou não quer - levantar para uma das extremidades da rede, por considerar a bola óbvia. Ou porque algum jogador de sua confiança pede em uma das posições do fundo. Enfim, por qualquer outro motivo, ele levanta a bola para o ataque do fundo.

- Por erro técnico ou tático na execução da combinação de ataque estabelecida, na qual uma das bolas componentes é a bola atacada do fundo. Por exemplo, algum dos atacantes não cumpre o estabelecido, se atrasa, etc... O levantador, muitas vezes, não tem outra alternativa, senão a de levantar a bola para o ataque do fundo. Nestes casos, os bloqueadores da equipe, atentos, podem se deslocarem com rapidez e compor o bloqueio triplo.

 

- Decomposição do Posicionamento em Fases e Atribuições dos Defensores.

 

1 - Jogadores colocados na PF, aguardam o passe.

2 - Constatando que o passe é apropriado às combinações de ataque, permanecem na PF.

3 - Definida a levantada para o ataque do fundo, recuam uma ou duas passadas e ajustam-se, de maneira ficarem de frente para o ataque.

 

- Ataque pela Pos. 5 da Quadra do Adversário.

 

D1 - Defesa da bola atacada que passa à direita do bloqueio.
  - Defesa da bola "largada" que passa sobre o bloqueio, nas imediações da linha que divide as zonas de defesa e ataque.
  - Bola que toca no bloqueio e sai da quadra à direita.
  - Segunda ação, após a defesa se um companheiro.

 

D5 - Defesa da bola atacada que passa à esquerda do bloqueio.
  - Defesa da bola "largada" que passa à esquerda do bloqueio, nas imediações da linha que divide as zonas de defesa e ataque.
  - Segunda ação, após a defesa de um companheiro.

 

D6 Da PF não se desloca, aguarda a composição do bloqueio. São suas atribuições:
  - defesa da bola atacada que passa à esquerda/à direita, por cima do ou pelo meio do bloqueio;
  - bola atacada a "meia força" bem no centro da quadra, principalmente aquelas em que o cortador perde a condição de atacar com violência;
  - bola que toca no bloqueio e vai para o fundo ou para fora da quadra, inclusive as que passam fora do alcance (encobrem) dos D1 e D5;
  - segunda ação, após a defesa de um companheiro.

 

Notas

- O D6 tem grande importância para o sistema de bloqueio e defesa no caso do bloqueio triplo. Como é grande a probabilidade do mesmo não ser formado adequadamente, é comum haver espaços entre os bloqueadores por onde as bolas passam. Cabe a ele a defesa das mesmas.

- Outra ocorrência freqüente com o bloqueio bem postado. Os atacantes diante da dificuldade de desviar do bloqueio atacam com força e para o fundo da quadra. Essas bolas, não raro, tocam no bloqueio e tomam destinos imprevisíveis. Os D1 e D5 estão envolvidos nas bolas atacadas mais para baixo (pouco provável) e as "largadas" (muito prováveis). Cabe, pois, ao D6 a recuperação de todas essas bolas.

 

No diagrama a seguir, a disposição dos bloqueadores, agora formando o triplo, e defensores para o ataque na pos. 5 da quadra adversária. Nos retângulos tracejados em vermelho, as áreas de grande incidência das bolas "largadas" em que D1 e D5 devem estar atentos.

 

 

- Ataque pela Pos. 1 da Quadra do Adversário.

 

D1 - Defesa da bola atacada que passa à direita do bloqueio.
  - Defesa da bola "largada" atrás do bloqueio, nas imediações da linha que divide as zonas de ataque e defesa.
  - Bola que toca no bloqueio e sai da quadra à direita.
  - Segunda ação, após a defesa se um companheiro.

 

D5 - Defesa da bola atacada que passa à esquerda do bloqueio.
  - Defesa da bola "largada" que passa à esquerda do bloqueio e cai nas imediações da linha de ataque.
  - Defesa da bola que toca no bloqueio e sai da quadra à esquerda.
  - Segunda ação, após a defesa de um companheiro.

D6 Da PF... não se desloca. Aguarda a formação do bloqueio. Tem como atribuições:
  - defesa da bola atacada que passa à direita, à esquerda, por cima ou entre os bloqueadores;
  - bola atacada a "meia força" no meio da quadra, principalmente aquelas em que o cortador perde a condição de atacar com violência;
  - bola que toca no bloqueio e vai para o fundo ou para fora da quadra, inclusive as que passam fora do alcance (encobrem) dos D1 e D5;
  - segunda ação, após a defesa de um companheiro.
   

 

No diagrama a seguir, a disposição do sistema defensivo para neutralizar o ataque da bola atacada do fundo pela posição 1.

 

 

- Ataque pela Pos. 6 da Quadra do Adversário.

 

D1 - Defesa da bola atacada que passa à direita do bloqueio.
  - Defesa da bola "largada" à direita do bloqueio, nas imediações da linha de ataque.
  - Bola que toca no bloqueio e sai da quadra à direita.
  - Segunda ação, após a defesa se um companheiro.

 

D5 - Defesa da bola atacada que passa à esquerda do bloqueio.
  - Defesa da bola "largada" por cima do bloqueio nas imediações da linha de 3 metros.
  - Defesa da bola que toca no bloqueio e sai da quadra à esquerda.
  - Segunda ação, após a defesa de um companheiro.

 

D6 Da PF... não se desloca até a formação do bloqueio. São suas atribuições:
  - defesa da bola atacada que passa à direita, à esquerda, por cima ou no meio do bloqueio;
  - bola atacada a "meia força" no meio da quadra, principalmente aquelas em que o cortador perde a condição de atacar com violência.
  - bola que toca no bloqueio e vai para o fundo ou para fora da quadra, inclusive as que passam fora do alcance (encobrem) dos D1 e D5.
  - segunda ação, após a defesa de um companheiro.

 

No diagrama a seguir, a disposição do sistema defensivo para neutralizar o ataque da bola atacada do fundo pela posição 6.

 

 

Considero relevante mencionar que as Bolas Atacadas do Fundo, no voleibol atual, são levantadas na mesma proporção que as Bolas Altas e "Chutadas" nas extremidades da rede, que sempre as mais usadas. O treinamento para neutralizá-las deve ser realizado, portanto, na mesma proporção destas últimas.

As Bolas Atacadas do Fundo têm algumas peculiaridades. Os bloqueadores devem ter em mente tais peculiaridades, uma vez, que são importantes no momento de tomar decisões. São:

- as trajetórias, do levantamento e cortada são muito rápidas;

- passam rente ao bordo superior da rede;

- atacadas com extrema violência.

Essas peculiaridades requerem dos bloqueadores, para terem alguma chance de sucesso na interceptação das mesmas, qualidades técnicas e táticas individuais.

Técnica Individual:

- extrema velocidade de deslocamento;

- colocação perfeita dos braços sobre a rede;

- exatidão no tempo de bloqueio.

Esses aspectos contribuem para a correta execução do bloqueio (fundamento). Como repetidamente mencionado ao longo da apresentação do assunto, são elementos fundamentais para uma boa performance no bloqueio.

Tática Individual:

- percepção global das ações ofensivas da equipe adversária;

- conhecimento das características do levantador e dos atacantes;

- conhecimento do perfil psicológico dos jogadores adversários;

Esses elementos são essenciais para que os bloqueadores tomem suas decisões - e são muitas - que têm que tomar em todo o decorrer de uma partida.

 

Os defensores, além dos aspectos mencionados acima, devem estar familiarizados com as características dos atacantes. Por exemplo, suas habilidades, suas preferências, suas atitudes, seus perfis psicológicos.

 

- Conclusão.

Como podemos observar, os procedimentos focalizados nesta parte, por conterem um pouco mais de complexidade, exigem do treinador e dos jogadores graus de concentração e de habilidade maiores do que na parte anterior (bolas altas nas extremidades da rede). Isso decorre do fato que as Bolas "Chutadas" nas Extremidades da Rede e as Atacadas do Fundo exigirem maior precisão do levantador e, ao mesmo tempo, maior velocidade e explosão do atacante, fatores esses que aumentam consideravelmente a dificuldade no desempenho do sistema defensivo, isto é, na atuação dos bloqueadores e defensores.

Pelo aperfeiçoamento da técnica e da tática no bloqueio, bem como pelo simultâneo aumento da estatura dos jogadores, essas bolas passaram a substituir as altas nas extremidades da rede e tornaram-se imperativas para as atuais equipes de elevado padrão dentro do voleibol moderno. Torna-se evidente a necessidade de um treinamento do sistema defensivo cada vez mais apurado para que uma equipe possa ter chance de diminuir ao máximo a eficiência desses ataques, já que, sem dúvida, a sua continuidade no voleibol, daqui para frente, é uma tendência irreversível.

 

Cont. no art. 20, com o Estratégias / Táticas Defensivas para as Segundas Bolas das Combinações de Ataque

Home

Ir para Menu Vôlei de Quadra