Estratégias/Táticas - Art. 12

- Estratégias / Táticas Defensivas.

 

- Bolas "Chutadas" nas Extremidades da Rede.

- Estratégia com Bloqueio Duplo.

 

Em artigos anteriores foram focalizadas as Estratégias com Bloqueio Simples. Contra os rodízios em que a equipe adversária tem 2 Atacantes na Rede, apresentamos uma opção tática em que um dos bloqueadores se encarregam do bloqueio da 1a. Bola e os outros dois se deslocam - antecipadamente - para compor o Bloqueio Duplo.

Neste serão focalizadas as Estratégias com Bloqueio Duplo, contra os rodízios em que o adversário tem 3 Atacantes na Rede. Antes de começar, vale chamar atenção para alguns pressupostos.

1 - Bem executada, a trajetória bola, "Chutada" nas Extremidades, é muito veloz.

2 - É muito reduzida a probabilidade da composição do bloqueio duplo, de modo perfeito.

3 - Contra rede com 3 Atacantes, torna-se ainda mais mais difícil.

4 - No voleibol atual, a bola "Chutada" é vinculada a bolas também muito velozes como, por exemplo, as atacadas do fundo da quadra, pelas posições 1 e 6;

 

Conclusão: é tarefa das mais difícieis, mas que tem que ser tentada. Mais do nunca os bloqueadores e os defensores têm que ter a capacidade de discernir, por exemplo.

1 - O ponto em que o levantador executa o levantamento;

2 - A aproximação dos atacantes.

3 - O momento da partida.

4 - A freqüência com que cada bola (de uma combinação de ataque ) é levantada/atacada; os programas de informática auxiliam, e muito, a identificaçãos deste elementos.

 

Feitas estas considerações, é possível considerar que o bloqueio duplo pode ser imperfeito. A fim de superar uma possível imperfeição, bloqueadores e defensores devem se desdobrar para minimizá-las. Por exemplo.

1 - Os bloqueadores das extremidades, partindo do pressuposto de que podem atuar individualmente, devem entender que fazem parte de um contexto. Isto é, no momento em que se posicionarem para o bloqueio devem ter o pensamento de que vão cumprir uma atribuição, apenas. Ou seja: visar a bola, obstruir a passagem da mesma para determinado flanco da quadra, etc. Com isso, propiciará referência aos jogadores de defesa e, consequentemente, poderá contribuir para estes possam ter uma maior possibilidade de sucesso.

2 - Os bloqueadores centrais, partindo do pressuposto de que em muitas ocasiões não conseguirão compor o bloqueio duplo, de modo perfeito, devem tomar uma decisão, isto é:

a - dirigir-se, incontinenti, para a cobertura da largada;

b - deslocar-se até onde puder e saltar, como manda o figurino, tendo em vista fechar a trajetória da bola para a diagonal; opção tática válida.

Nos diagramas a seguir, exemplos da opção tática. B3 se desloca até onde consegue e salta para o bloqueio, fechando a trajetória da bola para parte da diagonal, que é coberta pelos D5 e D1, respectativamente (linha tracejadas em azul claro). A defesa da bola que passa pelo espaço entre os bloqueadores (linha tracejadas em veremelho) é coberto pelo defensor-centro (D6).

 

 

Nota

O espaço entre o bloqueadores instiga o atacante adversário a tentar direcionar a bola por ele. Não é tão fácil quanto parece. Muito por causa da velocidade da trajetória da bola "chutada".

 

- Contra Rede de 3 Atacantes.

 

- Procedimentos no Bloqueio.

 

Dispostos na Posição Fundamental aguardam o resultado da recepção do saque. Com o passe propício às Combinações de Ataque, permanecem na mesma. Levantada a Bola "Chutada".

 

B3

- Decidir-se por saltar para o bloqueio da 1a. Bola e/ou da 2a. Bola no terço central da rede, ou não.

- Deslocar-se com máxima velocidade para o ponto em que a bola foi levantada. Conseguindo chegar, posicionar-se lado a lado com o bloqueador da extremidade B4 ou B2.

- Fechar a passagem da trajetória da bola para a diagonal.

Nota

No caso de B3 não conseguir chegar a tempo para compor um bloqueio perfeito, deve tomar a decisão tática apresentada e exemplificada anteriormente.

 

B2 e B4

Deslocar-se com máxima velocidade para a extremidade da rede e, na medida do possível, tomar uma decisão tática.

- Saltar, rigorosamente, em frente da bola.

- Fechar a trajetória da bola para a diagonal, de modo geral - em virtude da velocidade da trajetória - a mais possível.

- Fechar a trajetória da bola para a paralela.

Nos diagramas a seguir, posicionamento diferenciados do bloqueadores das extremidades. No da esquerda, B2 mais afastado para se posicionar em frente da bola ou para fechar a atrajetória da bola para a paralela (em azul escuro) e mais próximo, para fechar a passagem para a diagonal (em azul claro). A setas tracejadas, em cores correspondentes, mostram a comparação entre as distâncias. No diagrama da direita, B4 em exemplo na outra extremidade da rede.

 

 

Como mencionado anteriormente, a velocidade da ação torna a missão dos bloqueadores extremamente difícil. O discernimento tático individual e a capacidade técnica dos bloqueadores tornam-se fatores preponderantes para uma boa performance individual e coletiva do bloqueio. Mais. Para o sucesso da estratégia como todo. Uma vez que, os defensores dependem do acerto de suas decisões e da qualidade de suas execuções.

 

Continuação no Art. 13 - Procedimentos na Defesa

Home

Ir para Menu Vôlei de Quadra