Preparação Física - Artigo 10

Valências Orgânicas.

Treinamento da Capacidade Aeróbica

O Treinamento Orgânico Integrado (TOI) - Parte II

- Sequência de Exercícios dos Fundamentos Toque ou Manchete, utilizando o Deslocamento B (6 metros ou mais).

 

 

Exercício 5 - O posicionamento inicial é com os dois jogadores afastados da linha lateral, cerca de 2 metros. Executam 2 toques consecutivos. O 1o para o centro da quadra, deslocam-se de frente na direção da bola, executam o 2o para o companheiro e voltam ao posicionamento inicial, correndo de costas. Esse exercício admite uma graduação de intensidade se realizado, por exemplo, por jogadores dispostos 4 a 4, 3 a 3, 2 a 2 com a mesma bola. Quanto menos jogadores participando, maior é a intensidade. Os toques em suspensão tornam o exercício mais intenso.

Exercício 6 - Idem ex. 5, saltando no 2o toque.

Exercício 7 - Idem ex. 5, saltando em ambos os toques.

 

- Sequência de Exercícios dos Fundamentos Toque ou Manchete, utilizando o Deslocamento no sentido longitudinal da quadra.

 

Exercício 8 - O posicionamento inicial é um jogador na rede (botão azul, no diagrama a seguir) e o outro na linha do fundo da quadra (botão vermelho, no diagrama a seguir). O que está posicionado na rede toca a bola sobre a linha de ataque. O outro, sai da linha do fundo, toca a bola para o companheiro, retorna de costas até a linha do fundo e parte novamente para outro toque na linha de ataque e assim sucessivamente, o número de vezes que o treinador estabelecer.

 

 

Exercício 9 - O posicionamento inicial é um jogador na rede (botão azul, no diagrama a seguir) tocando a bola para o fundo da quadra. O outro, partindo da linha de ataque (botão verde, no diagrama a seguir), desloca-se de costas até a linha do fundo, executa o 2o toque para o companheiro que está na rede e volta para a linha de ataque, a fim de continuar a Sequência no número de vezes estabelecido pelo treinador.

Exercício 10 - A mesma mecânica do ex. 8. O jogador do fundo desloca-se para a linha de ataque, toca para o companheiro, retorna para a linha do fundo, deslocando-se de costas, e toca lateralmente, com o corpo de frente para a direita, para o companheiro que está na rede. Desloca novamente para a linha de ataque, toca para o companheiro, retorna para a linha do fundo, deslocando-se de costas, e toca lateralmente, com o corpo de frente para esquerda. Depois trocam. O treinador estabelece o número de repetições

Exercício 11 - Idem ex. 10, com o segundo toque sendo executado por meio do toque de costa. Nos execícios com a manchete é mais fácil. Com o toque acima da cabeça, é bem mais difícil; recomendadável só para atletas de bom nível de desembaraço.

 

Os quatro exercícios dessa Sequência são bastante intensos. Para iniciantes ou para adultos em fase inicial de treinamento é necessário fazer uma graduação, de duas maneiras:

- estabelecer progressivamente o número de vezes que o jogador do fundo da quadra deve repetir a movimentação (tocar a bola na linha de ataque), isto é, 4, 6, 8,10, ...;

- a fim de que o jogador que está executando o exercício tenha tempo para deslocar-se, instruir o jogador que está na rede para tocar 2 vezes na bola (a primeira sobre sua própria cabeça, a segunda para a linha de ataque) ao invés de uma. Para uma equipe de alta competitividade, em bom nível de treinamento, de 6 a 10 repetições é apropriado. No exercício com 10 repetições, o número de toques consecutivos é de 20. Estes, se executados em suspensão, aumentam substancialmente a intensidade do exercício.

Nota

Chamo atenção para o fato de que as Sequências de exercícios devem ser realizadas com o toque acima da cabeça e com a manchete. Logo, os 11 exercícios (somado-se os das Sequências 1 e 2) apresentados até aqui, se realizados com os dois fundamentos (toque acima da cabeça e manchete), tornam-se 22. Mais: se executados com todos os tipos (de frente, de costas, lateralmente) e todas as maneiras de execução (com os pés no chão, com o corpo em suspensão e com o corpo agachado) teremos, então, mais de 100 exercícios. Este número de exercícios deve ser distribuído ao longo de uma ou mais semanas de treinamento, obviamente, de acordo com o nível de aptidão dos jogadores.

 

- Observações Importantes para Bom Aproveitamento na Preparação Física.

1. A fim de adequar as Sequências de exercícios às necessidades da equipe, o preparador físico e o treinador, antes de elaborarem o plano de treinamento, devem pesquisar:

- o grau de intensidade do esforço de cada Sequência de exercícios;

- a conveniência de realizar os exercícios por número de repetições ou por tempo;

- o número de repetições ou tempo de duração de cada exercício;

- a natureza dos intervalos; passivos ou com exercícios, visando a resistência muscular.

 

2. Caso a opção seja pelo intervalo ativo, os exercícios devem ser realizados lenta e corretamente.

3. Haverá com toda certeza, seja qual for o nível de habilidade dos jogadores, necessidade de adaptação na execução dos exercícios. Inicialmente, encontrarão dificuldade, o que tornará mais intenso o esforço despendido na realização dos mesmos. Na medida em que forem ganhando maior desembaraço, a intensidade diminui consideravelmente. Por isso, é extremamente importante que o preparador físico controle a freqüência cardíaca dos jogadores nos intervalos entre os exercícios, para avaliar se o trabalho está atingindo sua finalidade.

4. Na execução dos exercícios os jogadores utilizam-se de um artifício para atenuar a intensidade do esforço, que é o de não colocarem o companheiro em dificuldade, ou seja, tocando a bola em local onde este possa alcançar, sem dificuldade, ao invés do pré-estabelecido. O expediente é prejudicial à finalidade do trabalho.

 

- Observações Importantes para Bom Aproveitamento Técnico.

1. O treinador deve cobrar a execução absolutamente perfeita dos fundamentos e, ao mesmo tempo, conscientizar os jogadores de que os toques e manchetes devem ser caprichados como se fossem em uma situação de jogo. Por exemplo, um passe para um contra-ataque, um levantamento, etc..., em um momento decisivo do jogo.

2. Considero extremamente importante, na realização desse trabalho, a coordenação entre a chegada na bola e a execução do fundamento; no caso, o toque acima da cabeça ou a manchete. A razão é a de que se deve tentar aproximar o treinamento o mais possível da realidade do jogo, onde esses fundamentos são executados, quase sempre, em ou após deslocamentos. A fim de desenvolver essa qualidade, o treinador deve insistir com os jogadores para executarem o fundamento sem pararem sob a bola.

3. Outra forma de aproveitar esse tipo de treinamento, é fazer com que os levantadores o realizem com bolas mais pesadas (produzidas especialmente para este fim e disponível no mercado), sobretudo nos exercícios de toque acima da cabeça.

4. No decorrer do trabalho, os jogadores negligenciam na execução do fundamento. Preocupam-se apenas com a velocidade do deslocamento. O treinador deve coibir esse procedimento, uma vez que é a única oportunidade de treinar, especificamente, o toque e a manchete.

Continuação no art. 11, com outra modalidade para o Treinamento Orgânico Integrado (TOI).

Voltar ao Menu Preparação Física - Vôlei de Quadra