Preparação Física - Artigo 08

- Valências Orgânicas.

- Capacidade Aeróbica - Treinamento - Parte II

Para o treinamento com vistas à aquisição ou à melhoria da capacidade aeróbica existem algumas maneiras utilizadas e consagradas pelas grandes equipes de voleibol em todo o mundo:

 

- Corrida Contínua  
- Corrida Intervalada

- Treinamento Contínuo e/ou Intervalado em equipamentos Ergométricos:

- bicicleta;

 

- esteira;

 

- transport;

  - remoergômetro.
- Treinamento em forma de Circuito na Quadra.

- Treinamento Orgânico (Aeróbico/Anaeróbico) Integrado ( TOI )

 

- Corrida Contínua.

 

O atleta percorre uma determinada distância ou corre dutante certo tempo sem interrupções e dentro de uma freqüência cardíaca moderada. Essa corrida pode ser realizada em:

- pista de atletismo;

- ruas;

- gramados;

- areia;

- montanhas;

- etc...

Estabelecer o número de sessões semanais, a distância a ser percorrida e/ou o período de tempo e a freqüência cardíaca durante a realização do esforço é atribuição exclusiva do preparador físico, especialista na matéria.

Esse tipo de atividade é apropriado:

- na formação - física - global do indivíduo/atleta;

- à equipe dispõe de prazo longo para adquirir ou melhorar a capacidade aeróbica;

 

Foi largamente utilizado por seleções nacionais que tinham atividade permanete, até a década de 80. Com o advento da Liga Mundial e as mudanças das regras, sobrtetudo à da contagem de pontos - "rally-point" ((um ponto a cada bola em jogo ), não é mais utilizada; os calendários esportivos que estabelecem muitas competições em uma mesma temporada.

Muitos treinadores, a meu ver com toda razão, consideram valência antagônica à modalidade. Alegam que o trabalho aeróbico potencializa fibras de contração lenta (captadoras de oxigênio) em detrimento de fibras de contração rápida, essenciais à execução das ações do voleibol.

 


Corrida Intervalada.

 

É a corrida fracionada em distâncias mais curtas ou em breves períodos de tempo em relação à corrida longa. É realizada com maior velocidade, sob uma freqüência cardíaca mais alta e intercalada por períodos de descanso.

Da mesma maneira, o preparador físico é responsável pelo estabelecimento do número de sessões semanais, da distância ou tempo de corrida, da velocidade, da freqüência cardíaca e dos períodos para descanso. Esse trabalho, por ser realizado com maior velocidade, é mais adequado em prazos mais curtos entremeados por jogos, ou seja, em fases pré-competitivas.

É considerável o contigente de atletas que detesta correr. É fato que, como mencionado em artigos anteriores, o voleibol (treinamento e jogos) sacrifica demasiadamente as articulações dos membros inferiores e da coluna vertebral. As corridas, por essas razões, podem ser substítuidas por meio alternativos, em que o atleta não tenha que acelerar seu peso corporal, tais como os equipamentos ergométricos. Que serão abordados a seguir.

 

- Treinamento Contínuo e/ou Intervalado em equipamentos Ergométricos.

 

A capacidade aeróbica pode ser adquirida, também, em trabalho realizado em equipamentos ergométricos, tais como a Bicicleta Ergométrica, com a vantagem de ser uma atividade menos traumática para as articulações. A atividade, a exemplo da corrida, pode ser, também, contínua ou intervalada. Atualmente há bicicletas computadorizadas que permitem mensurar a intensidade do trabalho, a freqüência cardíaca durante o exercício, o dispêndio calórico, etc...

O preparador físico, no caso de trabalho na Bicicleta Ergométrica, faz a correlação entre o grau de esforço em uma corrida e o na bicicleta, para determinar com exatidão o tempo de duração do esforço (contínuo ou intervalado), a carga e a freqüência cardíaca durante a execução, a fim de tornar a sessão proveitosa.

O trabalho na Bicicleta Ergométrica é altamente apropriado para:

- atletas com problemas articulares (coluna, joelho e tornozelo);

- atletas em processo de recuperação de contusões, com dificuldade de locomoção;

- atletas com dificuldade de locomoção, decorrente de anomalias congêntias (pé "chato", varo, valgo, etc.);

- atletas que necessitam de sessões suplementares em virtude de excesso de peso;

etc...

 

 Notas

- Particularmente, não considero válido o treinamento para a aquisição/melhoria da Capacidade Aeróbica apenas na bicicleta. Ocorre que o voleibol requer grande resistência muscular nos membros inferiores e a corrida contribui para a aquisição dessa resistência.

- Existem jogadores, até mesmo da Seleção Brasileira, que possuem um grande problema nas pernas (pés pronados/supinados, joelho varo/valgo, etc... ) que lhes causa grande dificuldade para andar e correr. Os seus aproveitamentos nas sessões de corrida são muito fracos. Por isso, muitas vezes o mais apropriado para eles seria realizar o treinamento aeróbico apenas na bicicleta ergométrica. É caso da adequação a problemas individuais.

- A Educação Física na escola é muito importante, desde a primeira infância. O processo de formação global é iniciado por meio de jogos com bola, prática da natação, brincadeiras na praia ou no campo, enfim, em atividades prazeirosas. Mais tarde, na pré-adolescência e/ou adolescência, quando iniciar-se na prática de algum esporte de competição, o indivíduo já tem uma importante etapa vencida. Com certeza, adquiriu bom nível nas valências orgânicas e em outras comuns à todas as modalidades. Tais como, coordenação, destreza, etc.

 

Cont. no art. 09, com Treinamento Orgânico Integrado (TOI)

Voltar ao Menu Preparação Física - Vôlei de Quadra