Histórias dos Bastidores - 31

Que Barra!

 

Não sei se vocês sabem, mas o consagrado jogador Renam era um tremendo gozador. Vivia pelos cantos articulando alguma sacanagem.


Certa vez, quando eu era técnico daquela fantástica equipe do Bradesco, fazíamos uma viagem de avião e sentado ao lado de um estreante, o Toninho, estava Renam.

Toninho era um garoto de 17 anos, 1,95 m de altura e... 105 quilos só de músculos. Acho que foi o jogador de voleibol mais forte que conheci. Era bom garoto, ou por outra, ótimo garoto. Mas quando ficava invocado era um caso sério.

Antes do embarque, Renam comprou uma barra de chocolate, comeu-a e guardou a embalagem. Já em pleno vôo, o almoço começando a ser servido. Renan pega sua bandeija e colocou a embalagem do chocolate (vazia) sobre sua mesa, de maneira que parecesse ainda estar com o conteúdo. No meio do almoço, como quem não queria nada, disse para o Toninho:

- Gosto desta empresa porque ela sempre serve este chocolate maravilhoso.


Toninho olhou intrigado. Alguns minutos depois cutucou Renam e, como que resmungando, disse:

- Eles não me deram o chocolate. E perguntou:

- Por que eles não me deram o chocolate?

Ele sempre repetia as frases, resmungando mesmo. Renam, então, respondeu:

- Acho que é porque o comissário achou você muito garoto, assim com cara de otário. Aí, eles fazem isso mesmo. Em vez de dar chocolate pra qualquer otário, guardam e depois eles mesmos é que comem ou dão pra uma mulher bonita. Enfim, Toninho, sei não, acho que você dançou!

- Eu com cara de otário?

- Foi o cara que achou!

- Ele me achou com cara de otário?

- E de babaca também!!!

Ah... pra quê!!! Com seus 105 quilos de pura massa muscular o garoto queria, de qualquer maneira, tirar satisfação com o inocente e bem mais fraco comissário. Renam teve que segurá-lo na poltrona; não foi fácil acalmar a fera...!

Voltar ao Menu Histórias dos Bastidores.