Histórias/Bastidores 11

 

Grannnnde Sacrifício!

Jogavam AABB-Rio, equipe em que eu era o treinador, e o Botafogo F.R., no Mourisco. Vencíamos por 1 x 0 e estávamos vencendo o 2o set por 14 x 13, quando a torcida botafoguense aprontou grande confusão. Atiraram "tudo a que tinham direito" no árbitro da partida e este não titubeou; suspendeu o jogo. A Federação marcou a continuidade para um ginásio em Marechal Hermes, subúrbio do Rio de Janeiro, distante da zona sul - onde a maioria do meu time morava - cerca de uma hora.

Quando comuniquei ao time, foi a maior "chiação". Careca - será personagem de várias histórias aqui no site - capitão da equipe, como sempre, socorreu-me:

- Pessoal, não adianta ficar na "bronca". Temos que jogar. O melhor a fazer é parar de reclamar, ir lá na boa e ganhar o jogo!

Veio o dia do jogo e, com o maior mal humor, entramos nas duas kombis do clube e fomos embora. Um reclamava daqui, outro de lá, maldisseram o presidente da federação, blasfemaram, enfim, bronca geral. Eu já estava de saco cheio e prestes a dar um basta. Careca, baixinho, comentou:

- Jorge, deixa esses camaradas reclamarem. O importante é que veio todo mundo. Agora, temos que dar uma pilha antes do jogo. Senão, vai ser complicado ganhar o jogo.

Careca tinha toda razão. Fiquei na minha, ouvindo, ouvindo, ouvindo. Minha cara não devia estar "de bons amigos". Quando estávamos chegando, Careca, muito malandro, pediu a palavra e começou com toda firmeza:

- Motorista, não desliga o carro não. Tem uns e outros aqui que vão querer voltar.

Fez uma breve pausa proposital e, com um sorriso maroto, começou a falar:

- Aí rapaziada! O papo é o seguinte. Não viemos aqui como babacas, fazendo biquinho, para perder o jogo e voltar com cara de "mané". Então vamos fazer o seguinte: quem não tiver a fim de jogar, como homem, aproveita que o motorista não desligou o motor e volta agora mesmo! Ninguém vai ficar chateado. É melhor do que ficar para fazer palhaçada!

A maneira como ele falou foi muito engraçada e provocou risadas. Ele desempenhou um misto de poderoso, desafiador e, como sempre, irônico. O time entrou no vestiário às gargalhadas. Jogamos um "bolão", vencemos na continuidade do jogo por 3 x 0 e voltamos ao vestiário para tomar banho.

Banho tomado, saímos para pegar a condução. Todos prontos, cadê as kombis e os motoristas? Começamos a pensar que os motoristas entenderam mal o que o Careca havia dito e voltaram para o clube. Aliás, cadê Careca? Também tinha sumido. Procura daqui, procura dali, nada de kombi, nada de motorista e nada de Careca. Olhei para as luzes de uma praça pública, escutei um som de música alta e percebi que era uma festa junina. Chamei a rapaziada e sugeri:

- Se eu conheço o Careca, ele está naquela festa junina ali. Vamos dar um pulo lá?

Foi uma explosão de gargalhadas. Bonga gargalhava, normalmente, alto e não conseguia parar. O Lino ria e balançava a cabeça; enfim, o humor melhorou na mesma hora. Chegamos na festa, Careca nos chama. Fomos ao seu encontro e nos deparamos com a cena. Ele e os dois motoristas estavam "agarrados" a copos de cerveja e com uma travessa de camarão frito. Chegamos às gargalhadas. Careca, com o característico sorriso maroto, fez o convite:

- Aí rapaziada, o jogo foi uma barbada! Viemos aqui para fazer um sacrifício. Descobri essa feirinha, que está de bom tamanho para o nosso sacrifício. Vamos tratar de pegar os copos, enchê-los com essa cerveja que tá "doendo os dentes" e comer esses camarões aqui... não reparem no tamanho não! Sei que é sacrificante, mas moçada vamos fazer mais esse sacrificiozinho, não custa nada.

Foi cerveja, camarão, papo furado até 5 horas da manhã. Como nossos familiares, nossas esposas, etc... já estavam ligando para o clube - na época não havia celular - cada um levou sua "boa e velha bronca" quando chegou em casa. No dia seguinte levei uma bela de uma "dura" da diretoria. A repercussão do sacrifício não foi nada legal. Só foi bom mesmo foi para os motoristas que comeram, beberam e ainda ganharam hora extra. Durante muito tempo viviam perguntando-me quando teria outro jogo em Marechal Hermes. Valeu e ficou o jogo e a comemoração em nossas lembranças.

Voltar ao Menu Histórias e Bastidores