Vínculos entre as Ações dos Sistemas no Voleibol

Vínculo entre as Ações do Sistema Defensivo

Saque – Bloqueio/Defesa – Transição do Sistema Defensivo para o Ofensivo.

Saque

Antes de focalizar o Saque, considero necessário expor minha opinião sobre um discussão em relação ao mesmo. Ou seja:

Saque é um Fundamento de Ataque?

Sim, sem qualquer dúvida. No do tipo Viagem (*), alguns jogadores conseguem imprimir extrema velocidade à trajetória da bola; acima dos 120 Km/H.

O Saque faz parte de qual sistema, Ofensivo ou Defensivo?

Em primeiro lugar, da mesma maneira que houve extraordinária evolução no Saque, houve proporcionalmente evolução semelhante na Recepção.

Se observarmos estatisticamente o percentual de “Aces” (a bola que toca diretamente o solo da quadra adversária), eos pontos decorrente do Saque (recepionado e a bola "morre", sem um sagundo toque).entre equipes do mesmo nível de competitividade, concluiremos que este não é tão expressivo o quanto parece.

Abro um parêntese. Alguém se lembra de grandes passadores tomarem vários “Aces” em um jogo? Refiro-me a Sergio Escadinha, Nalbert, Giba, Murilo, Serginho (Cruzeiro-Sada), exemplos de brasileiros. No feminino, Fabi, Camila Brait, etc.

Agora, um Saque desferido com Potência máxima é capaz de provocar erros de Recepção (um toque e a bola "morre" ) e dificultar a construção das Ações Ofensivas da equipe adversária (a bola que não chega à Zona de Levantamento e dificulta o ataque por meio de combinações.

Diante do exposto, coloco a Saque como componente do Sistema Defensivo, ou seja, com a Finalidade Tática, de dificultar ao máximo as opções de ataque da equipe adversária.

Nota

Importante: o ideal é o jogador conseguir aliar a velocidade que imprime à trajetória da bola à colocação em pontos estratégicos.


 

Saque como Finalidade Tática

Tem em vista criar dificuldade à construção da Primeira Ação Ofensiva (Side-Out/Virada de Bola). Ou seja, dificultar a Recepção, na continuidade o Levantamento e o Ataque e, por conseguinte, facilitar a elaboração da Estratégia e Táticas da equipe que executa.

Opções de Saque.

1 - No Passador menos Capaz – Estatisticamente comprovado ou Eventual.

A - Estatisticamente comprovado

Por meio da observação pregressa, subjetiva, (do treinador e colaboradores) e/ou com auxílio de recursos estatísticos é possível estabelecer o passador menos capaz na Recepção.

B - Eventual.

Também por meio da observação pregressa, subjetiva, (do treinador e colaboradores), é possível identificar passadores que diante de diferentes motivos, se tornam inseguros e vulneráveis, de modo geral, em momentos decisivos de um jogo.

 

2 – Em Zonas da Quadra.

A – No Terço Inicial da Quadra.

São dois objetivos:

A - No Atacante da Bola de Primeiro Tempo. de modo dificultar seu recuo e Aproximação Final para o Ataque.

 

B – No Ponta Passador, a fim de fazê-lo recepcionar o mais próximo a rede possível e com isso dificultar seu recuo e Aproximação Final para o Ataque.

 

C – No Centro do Terço, de maneira causar dúvida entre os passadores.

 

Nos diagrama 1 a seguir, dois retângulos. Um na pos. 4 e o outro na pos. 2. O Saque Curto dirigido a esses pontos podem dificultar a movimentação de A4 e A2, respectivamente. Repare que as linhas pontilhadas em azul representam a movimentação habitual para o ataque. As tracejadas em vermelho as que eles têm que fazer para recepcionarem, recuarem e realizarem a Aproximação Final para o Ataque.

O saque retângulo na pos. 3 tem em vista causar dúvida, entre A4 e A2, sobre quem vai recepcioná-lo. E, no caso de o Atacante da Bola de Primeiro Tempo estar postado ali, dificultar sua ação.

No diagrma 2, a formação da recepção nas equipes de escolas e das categorias de base (Mirim). O Saque Curto pode ser largamente utilizado, uma vez que os atletas não possuem grande desembaraço na ação de recepcionar, recuar e se aproximar para atacar.

Nota

Jogos entre equipes de alta competitividade, os saques curtos no terço inicial devem ser utilizados de maneira esporádica. Uma vez que os passadores têm grande capacidade técnica para realizar a ação de passar, recuar e se aproximar para o ataque.

 

 

 


 

 

B – No Terço Médio da Quadra.

De modo geral, é a zona da quadra onde estão distribuídos os mais capazes na recepção. Logo, a trajetória da bola deve ser veloz e incidir em pontos que causem a maior dificuldade possível.


- Entre o Passador em a Linha Lateral da Quadra.

Nestes pontos os passadores são obrigados a realizarem deslocamentos rápidos a fim de posicionarem adequadamente em relação à bola. Ou utilizarem-se de outras maneiras de execução da Manchete, como por exemplo a Lateral (com os Pés no Chão e/ou com o Corpo em Suspensão).
Além de causar dúvida sobre se a bola está dentro ou fora, uma vez que a trajetória é rápida de próxima a linha lateral.

- Entre Passadores.

Visa causar indecisão entre os passadores sobre quem deve executar a recepção.

No diagrama a seguir, a Zonas estão destacadas por retângulos em verde claro. No diag. 3. entre os passadores e as linhas laterais. No dig. 4, entre os passadores.

 

 

 

 

- No Atacante que está na Pos. 4 ou 2 e compõe a Formação para Recepção.

O objetivo é dificultar o habitual procedimento do Atacante que está na Zona de Ataque e recua para participar da formação da Recepção. Ou seja, recepcionar, fazer a Primeira Aproximação e a Aproximação Final para o ataque nas extremidades da rede.

No diagrama a seguir, a setas trecejadas em azul representam a movimentação habitual. Em vermelho, por ocasião da recepção mais ao centro da quadra. São mais dois ou três metros que podem dificultar a movimentação habitual.

 

 

 

 

 

- No Atacante que está na Pos. 4 ou 2 e compõe a Formação para a Recepção, e Ataca a Bola do Fundo.

O intuito é semelhante, ou seja, dificultar a ação de recepcionar e se preparar para o ataque como o faz habitualmente, e no tempo mais adequado.

No diag. 6, coloco cores para diferenciar as ações. Em azul A4 na Zona de Ataque, recua para recepcionar e ataca na extremidade da rede, enquanto A2, na Zona de Defesa ataca a Bola do Fundo pela pos.6. Em vermelho, o contrário A2 na ZA e A4 na ZD.

 

 

 

C – No Terço Médio da Quadra.


Ponto em que incidem também trajetórias de saques desferidos com extrema potência, do tipo “Viagem”. Também os do tipo “Chapado”, de menor potência, mas com bastante velocidade.
Os objetivos são semelhantes aos mencionados nos saques direcionados no Terço Central da quadra.

 

Conclusão.

Diante das dificuldade que o Saque pode gerar para a execução da Primeira Ação Ofensica ("Side-Out" / Virada de Bola), a equipe pode estabelecer a maneira pela qual vai armar o Bloqueio e a Defesa, a fim de neutralizar a Ação Ofensiva do adversário. Assunto que abordaremos, brevemente nos próximos artigos.

 

Nos próximos artigos Vínculos Bloqueio-Defesa - Sistema Defensivo para Bolas Altas na Extremidades de Rede, levantadas do Terço Médio da Quadra

 

Voltar ao Menu de Colunas

Voltar / Home