Vínculos entre as Ações dos Sistemas no Voleibol

Recepção do Saque pelo Atacante, na Zona de Ataque (posições 4, 3 e 2) que Recepciona e Ataca.

Recepção do Saque pelo Atacante na Zona de Defesa (posições 1, 6 e 5) que Recepciona e Ataca a Bola do Fundo.

 

Em artigos anteriores apresentei alguns elementos/raciocínios importante a fim de proporcionar subsídios para "pensar o voleibol". O Fator Tempo. Ver artigo: coluna 58 voleibol-fator tempo e Vínculos entre Ações. Ver artigos coluna_59_vinculos-sistema ofensivo e coluna 60 vínculos-sistema defensivo

Neste agora, vou tentar detalhar o Vínculo que há entre o Atacante que Recepciona o Saque e o Ataque do próprio, em diferentes Circunstâncias. Elemento fundamental para o sucesso da ação ofensiva.

Na foto ao lado nosso grande campeão Nalbert Bitencourt recepcionando um saque com elevado grau de dificuldade, mas como sempre, com perfeição

 

A fim de realizar uma boa recepção, precisa, o atleta deve considerar:

- o Tipo do Saque;

- a Trajetória da Bola;

- a Velocidade da Trajetória da Bola.

 

Nota

O conhecimento prévio dos sacadores das equipes participantes do campeonato facilita essa percepção.

O passo seguinte é posicionar-se de modo adequar-se aos três itens mencionados acima, obviamente com vistas a facilitar a execução da técnica (toque e/ou manchete):

- posicionar-se adequadamente de acordo com os trës itens acima;

- deslocar-se com máxima velocidade de modo posicionar-se de frente para a trajetória;

- executar a técnica com máxima correção.

 

Vínculo Recepção - Aproximação para o Ataque (do atacante que está nas posições 4,3 e 2)

Nos diagramas a seguir, considerando a Formação da Recepção com 3 Jogadores, os exemplos do Atacante-Receptor (A2). Na Ordem de Saque está na Pos. 2. Ele recua para ocupar seu espaço na Formaçao da Recepção. Após recepcionar, inicia suas Aproximações: a Primeira, do ponto em que faz a recepção ao ponto em que faz a Aproximação Final e está para o Ataque.

A Aproximação Final que pode ser realizada diante de duas Circunstâncias:

- na Pos. 2, quando a Bola de Primeiro Tempo (A3) é levantada/atacada do centro para a Pos. 4;

- na Pos. 3 (terço central da rede), quando a Bola de Primeiro Tempo (A3) é levantada/atacada do centro para a Pos. 2.

Nas duas circuntâncias, é fundamental que A2 observe:

- a precisão na execução da Recepção, que propicia todas as alternativas de levantamento/ataque e, consequentemente, influi para o sucesso da ação;

- o Vínculo Levantamento-Ataque, isto é, entre a chegada da bola nas mãos do levantador (L) e o momento exato para a Aproximação Final para o Ataque, importante para a coordenação da ação. Por exemplo, se iniciar a Aproximação antes, vai terá que parar e esperar a saída da bola das mãos do levantador; depois, vai se atrasar e facilitar o bloqueio da equipe adversária.

 

 


 

Recepção do Saque pelo Atacante na Zona de Defesa (posições 1, 6 e 5) e Ataca a Bola do Fundo.

O atacante A5 (grafado em azul claro nos diagramas 3 e 4) posicionado na Zona de Defesa, recepciona e ataca a Bola do Fundo. Ele recepciona o saque e ajusta seu posicionamento de modo realizar uma boa Aproximação Final para o Ataque.

O Ponto do Ataque não varia muito. Ou seja, o atacante da Bola de Primeiro Tempo (A3), de modo geral, ataca no Terço Central da Rede. O Oposto (A4) e o Ponta Passador (A2) atacam nas extremidades da rede, Pos. 4 e Pos. 2, respectivamente.

A fim de realizar uma boa Recepção, deve observar:

- os aspectos mencionados nos exemplos anteriores, isto é, para o atacante na Zona de Ataque que recepciona e ataca (A2).

- o grau de dificuldade para exercer sua atribuição. De modo geral, as equipes sacam deliberadamente nele, a fim de dificultar seus ataques, quer por saques potentíssimos quer por saques com finalidade tática, ou seja, que dificultem sua movimentação para o ataque da Bola do Fundo.

 

 

 

De modo ser eficaz no Ataque deve observar:

- recepcionar o saque com a maior precisão possível de maneira proporcionar condições ao levantador todas as opções de levantamento/ataque;

- dependendo do ponto da quadra em que faz a recepção, buscar o mais rapidamente possível o lugar ideal para realizar sua Aproximação Final para o Ataque. Por exemplo:

a - no saque Curto, recuar ao ponto ideal em que faz a Aproximação Final;

b - no saque Longo, avançar para o ponto ideal em que faz a Aproximação Final;

c - saque próximo a linha lateral, deslocar-se lateralmente (mais à frente/mais atrás) para se posicionar no ponto ideal em que faz a Aproximação Final.

No diagrama 5, considerando-se o Ponto Ideal da Aproximação para o Ataque (A5 em azul), os deslocamentos (setas tracejadas em azul claro) que A5 devem fazer e retornar para o Ponto ideal.

 

 

Conclusão.

O Vínculo Recepção-Ataque é fator fundamental para o sucesso da Ação Ofensiva. Ao Atacante-Receptor e o Levantador é requerida atenção absoluta para com seus procedimentos individuais. Devem possuir discernimento tático de maneira que saibam se conduzir diante das diversas circunstâncias em todo o decorrer de uma partida.

Nas equipes de alta competitividade é ínfimo o espaço de tempo entre o ataque da Bola de Primeiro Tempo e das Bolas atacadas nas Extremidades da Rede e/ou do Fundo (pelas posições 1 e 6). Ou seja, é uma ação extremamente rápida e precisa. A capacidade de executá-la com eficácia é obtida com muito treinamento, com o objetivo de conseguir o maior entrosamento possível.

 

No próximo artigo vamos focalizar, da maneira mais detalhada possível, o Vínculo Levantamento-Ataque.

Voltar ao Menu de Colunas

Voltar / Home