Estratégias/Táticas - Artigo 59

 

 

- Combinações de Ataque com 3 Atacantes na Rede.

- Com o Centro entre o Meio e a Entrada da Rede, com 3 Atacantes na Rede e 1 do Fundo (cont. do art. 58).

- Procedimentos na Defesa.

 

A proximidade do ponto em que a 1ª. Bola, “Chutada” de Meio, é levantada/atacada com o ponto da quadra em que o D1 se posiciona, torna sua missão bastante difícil. Em primeiro lugar é preciso considerar duas possibilidades.

1 - Atacada com bloqueio simples.

No diag. 1, B3 no bloqueio simples. O ponto em que as bolas, do centro da combinação, são atacadas fica cerca de 4 metros de distância em relação ao ponto em que D1 está posicionado. O tempo de reação para uma cortada é ínfimo e a área sob sua responsabilidade é muito extensa. O D6 pode colaborar posicioando-se, antecipadamente, mais para sua direita.

2 - Atacada com bloqueio duplo.

No diag. 2 é possivel observar a diferença. A área torna-se bastante restrita. No caso, ele se preocupa mais com as bolas “largadas” e as que tocam no bloqueio.

No diag. 3, está apresentado o posicionamento de D1 mais para o centro da quadra. Tem vista a defesa das demais bolas da combinação; a 2ª. Bola, atacada na saída da rede (pos. 2 da quadra oposta) e a Bola do Fundo pela pos. 6. Repare que coloco bloqueios simples, uma vez que, é uma grande probabilidade.

A defesa das bolas "largadas" à direita do bloqueio de B4 e B3 cabem ao bloqueador que não participa do bloqueio; no caso a B2. Atrás do bloqueio simples de B4, a B3, considerando que o mesmo não conseguir compor o bloqueio duplo.

 

 

 

 

Considerações feitas, vamos às atribuições de D1.

 

- Defesa das bolas atacadas que passam à direita dos bloqueios, simples ou duplo.

- Defesa das bolas “largadas”: à direita de B2, dentro da zona de ataque; atrás da linha de ataque, até o centro da quadra.

- Defesa das bolas que tocam no bloqueio e saem da quadra pela linha lateral direita.

- Segunda ação da defesa, depois de defesa parcial de um companheiro.

 


 

D5

 

Assim com é difícil a atribuição de D1 diante das bolas componentes do centro da combinação, é também complicada, para D5, a defesa das 2as. Bolas, de OP, pela pos. 2 da quadra oposta, e da Bola do Fundo, atacadas no terço central da rede. Sobretudo com o bloqueio simples.

No diag. 4, o posicionamento de D5 (em azul escuro) diante dos ataques com bloqueio simples. Ele fica mais a frente, a fim de defender a 1ª. Bola (seta tracejada em vermelho), e das 2as Bolas, finalizadas na pos. 2 (OP) da quadra oposta e a que é atacada entre a Bola de Primeiro Tempo e a extremidade da rede (setas tracejadas em azul).

No diag. 5, outras circunstâncias. O ataque da 2a. Bola, de OP, na pos. 2 da quadra oposta, e a Bola de Primeiro Tempo, de A3, ambas com bloqueio duplo. Em ambos os casos a dificuldade dos atacantes é muito maior, pois dispõem de área restrita para direcionar a bola. Agora, para a Bola de Ponta ,de A5, na pos. 4 da quadra oposta, com bloqueio simples, ele tem que se deslocar mais para o centro da quadra (D5 grafado em azul mais claro); uma vez que, o atacante dispões de área muito maior.

 

 

 

São atribuições do D5.

 

- Defesa das bolas atacadas que passam à esquerda dos bloqueios.

- Defesa das bolas “largadas” atrás da linha de ataque, até o centro da quadra;

- Defesa da bolas que tocam no bloqueio e saem da quadra pela linha lateral esquerda.

- Segunda ação da defesa, depois defesa de um companheiro.

 

Nota

 

É grande a probabilidade de B4 chegar atrasado nos pontos em que as bolas são atacadas. É prática comum, em virtude disso, o treinador orientar seu posicionamento fechando a trajetória da bola para a paralela ou para a diagonal. De acordo com a opção, seu procedimento para com as bolas “largadas” varia.

- Fechando a passagem da bola para a Diagonal (diag. 7).

Neste caso, D5 fica absolutamente exposto, ou seja, de frente para os ataque e à curtíssima distância. Sua atribuição é, exclusivamente, defender o ataque, sobretudo, da Primeira Bola, da Bola do Fundo, pela pos. 6, e da 2a. Bola pela da pos 2. Não tem como responsabiliza-se pela bola “largada” dentro da zona de ataque; no caso, cabem ao bloqueador que não participa, B3 ou B2. De acordo com sua sensibilidade, pode defender as bolas à direita do bloqueio, até o centro da quadra.

- Fechando a passagem da bola para a Paralela (diag. 8).

D5, uma vez que já está em posicionamento mais adiantado, para a defesa da 1ª. Bola e da 2ª. Bola, atacada no centro da rede, pode cobrir a bola “largada” atrás do bloqueio e pode defender as bolas que tocam no mesmo e saem da quadra (setas em vermelho). É atribuição, também, do bloqueador que não participa do bloqueio duplo, a defesa das bolas "largadas", dentro da Zona de Ataque.

 

 

 

Nota

A atribuição de D5 é tão difícil que, de modo geral, o Libero, pela sua extraordinária capacidade, é jogador designado para a função.

 


 

D6

 

Tenho mencionado nas apresentações dos procedimentos na defesa, em combinações anteriores, que o posicionamento na quadra do Defesa-Centro (D6), pode ser de três maneiras. Sempre para adequá-lo de acordo com a estratégia ofensiva da equipe adversária. Isto é:

 

- no centro;

- no centro-direito;

- no centro-esquerdo.

 

O posicionamento no centro da quadra o coloca em ponto equidistante às duas linhas laterais. De acordo com a orientação tática ou com sua sensibilidade pode se deslocar à direita e/ou à esquerda. Vale lembrar; depois do levantamento e, em algumas ocasiões, após o golpe de ataque.

O posicionamento – antecipado – no flanco direito ou esquerdo tem em vista compor com D1 e/ou D5 uma formação em dupla a fim preencher melhor o espaço da quadra em que, por exemplo, ocorre maior incidência de ataques.

Com intuito de facilitar o entendimento dos procedimentos, como tem sido feito anteriormente, vamos dividí-los pelos três posicionamentos mencionados.

 

- No posicionamento Centro da Quadra:

- defesa das bolas atacadas que passam, à direita, à esquerda, por cima, entre os bloqueadores, do centro para o fundo da quadra

- defesa das bolas “largadas” do centro para o fundo da quadra, de uma linha lateral à outra;

- defesa das bolas que tocam no bloqueio e saem da quadra pelas linhas laterais (inclusive as que encobrem D1 e D5) e/ou pela linha do fundo.

- segunda ação da defesa, depois de qualquer toque dos companheiros.

 

Nos diagramas a seguir, coloco um conjunto de bloqueio os três modos de posionamentos de D6.

No diag. 9, Centro da Quadra. De acordo com orientação tática ou com sua sensibilidade, desloca-se para um flanco ou outro. No diag. 10, posicionado antecipadamente no flanco esquerdo, a fim de, justamente com D5, defender as bolas que passam à esquerda dos bloqueios. No diag. 11, antecipadamente no flanco direito, para a defesa das bolas que passam à direita dos bloqueios.

 

 

 

No Posicionamento Centro-Esquerdo da Quadra.

 

- defesa das bolas atacadas que passam, à esquerda, por cima e entre os bloqueadores, do centro para o fundo, no flanco esquerdo da quadra.

- defesa das bolas “largadas” do centro para o fundo da quadra, de uma linha lateral à outra

- defesa das bolas que tocam no bloqueio e saem da quadra pelas linhas laterais (inclusive as que encobrem D1 e D5) e/ou pela linha do fundo.

- segunda ação da defesa, depois de qualquer toque dos companheiros.

 

 

 

 

Nota

A colocação de D6 neste posicionamento pressupõe que, por característica dos atacantes ou por orientação tática, os atacantes da equipe adversária buscam mais este flanco da quadra. Em face desta circunstância, D1 fica, praticamente, isolado para a defesa das bolas direcionadas para o flanco oposto; também por pressuposto, ponto de menor incidência de ataques.

 

- No posicionamento Centro-Direito da Quadra:

 

- defesa das bolas atacadas que passam, à direita, por cima e entre os bloqueadores, do centro para o fundo, no flanco direito da quadra.

- defesa das bolas “largadas” do centro para o fundo da quadra, de uma linha lateral à outra;

- defesa das bolas que tocam no bloqueio e saem da quadra pelas linhas laterais (inclusive as que encobrem D1 e D5) e/ou pela linha do fundo.

- segunda ação da defesa, depois de qualquer toque dos companheiros.

 

Nota

Embora esteja deslocado mais para direita ou mais para esquerda, ele continua sendo o último homem da defesa. Digo isso porque é atribuição bastante difícil, defender bolas “largadas” (no fundo da quadra, de uma linha lateral a outra) recuperar bolas que tocam no bloqueio e saem (pelas linhas laterais e do fundo).

 

Continuação no artigo 60, com Combinações com 2 Atacantes em Bolas de 1o. Tempo

 

Home

Ir para Menu Vôlei de Quadra