Estratégias/Táticas - Artigo 58

 

- Combinações de Ataque com 3 Atacantes na Rede.

- Com o Centro entre o Meio e a Entrada da Rede, com 3 Atacantes na Rede e 1 do Fundo.

- Procedimentos no Bloqueio.

 

Nos diagramas (1, 2 e 3) a seguir, exemplos de combinações que utilizaremos para tratar dos procedimentos, primeiramente, no bloqueio e, depois, na defesa.

A ordem de saque é a seguinte:

A2 – L – A6

A3 – A4 – A5

L: é o Levantador;

A2 e A5: são os atacantes-receptores que atacam as 2as Bolas e/ou Bolas de Ponta, nos rodízios em que estão na rede, e as Bolas do Fundo, nos rodízios em que estão na linha de defesa.

A3 e A6: são os centrais que atacam as 1a Bolas (na maioria da equipes, são substistitídos pelo Líbero (LI) na Zona de Defesa.

A4: é o Oposto, que ataca 2as Bolas e/ou Bolas de Ponta, nos rodízios em que está na linha de ataque, e as Bolas do Fundo, nos rodízios em que está na linha de defesa.

 

 

 

 

No voleibol atual, sobretudo entre as equipes masculinas, o A5 atacante/receptor, (das 2as. Bolas, das Bolas de Ponta e das Bolas do Fundo) evita atacar no terço central da rede, justamente para propiciar maior espaço ao Atacante do Fundo (A2). E diagramas acima, no 1, ele finta que vai atacar no terço central da rede, troca de direção e ataca logo após o ponto em que a 1ª. Bola entre o ponto em que a “Chutada” de Meio (de A3) é levantada/atacada e a extremidade da rede. Nos diag. 2 e 3, na extremidade da rede (pos. 4 da quadra oposta).

 

Nota

Nas três combinações: A2, o atacante-receptor que está na Zona de Defesa, ataca a Bola do Fundo pelo terço central da rede; o Oposto ataca a 2a. Bola da Combinação pela saída da rede (pos 2 da quadra oposta).

 


 

 

- Procedimentos no Bloqueio.

 

As combinações de ataque exemplificadas nos diags. 1, 2, 3 são realizadas por equipes de alta competitividade. A manobra de bloqueio 1 - 2 não é a mais apropriada para neutralizá-las, embora possa ser utilizada ocasionalmente. A manobra 2 - 1 é a mais indicada. A seguir a focalizaremos os procedimentos dos bloqueadores.

 

B3

 

1ª Atribuição – Responsabilidade Principal.

 

- Bloqueio Individual ou Duplo, com B2 ou B3 (dependendo do ponto em que costumeiramente atacada), da 1a. Bola, “Chutada” de Meio, atacada por A3, que sai da pos. 2.

 

- 2a. Atribuição – Responsabilidade Secundária.

Como sua 1a. Atribuição é a de bloquear a 1a. Bola ele pode adotar como estratégia:

saltar o máximo para tentar anular a 1a. Bola;

graduar o salto (saltar pouco) tendo em vista o bloqueio das 2as. Bolas, da Bola do Fundo e da Bola de Ponta;

não saltar e esperar para o bloqueio das demais bolas da combinação.

Outro elemento a ser considerado em seus procedimentos é o fator tempo. Ou seja, deve priorizar as bolas executadas em mais curto espaço de tempo:

- Bola de Tempo;

- Bola do Fundo;

- 2a. Bola;

- Bola de Ponta.

Nos diagramas a seguir, exemplo dos procedimentos do Bloqueador-Central (B3). Repare que a Primeira Bola e a do Fundo são atacadas no terço central da rede. Como são realizadas praticamente no mesmo tempo, não há tempo para deslocamentos; apenas ajustes de posicionamento.

A maior dificuldade para B3 são os deslocamentos para o bloqueio das bolas finalizadas nas extremidades da rede: de OP na pos. 2; de A5 na pos. 4.

 

 

 

Nota

Como mencionado outras vezes, no voleibol atual todas as bolas da combinação são executadas/atacadas com diferença mínima de tempo entre elas.

 

Enfim, sejam quais forem suas opções, seus procedimentos estão enumerados a seguir – pela ordem de tempo.

 

- Deslocar-se para sua direita, a fim de:

            - bloquear da 2ª. Bola, de A5, atacada entre o ponto da 1ª. Bola e a extremidade da rede (pos. 4 da quadra oposta).
 
            - ajustar-se para o bloqueio da Bola do Fundo, de A2, quando atacadas no terço central da rede;

 

Nota

A trajetória da Bola do Fundo, como exemplificada nos diagramas, passa pelo terço central da rede. Só que, de modo geral, à esquerda do ponto em que o levantador está posicionado. Ou seja, um pouco mais à esquerda do ponto em que B3 se posiciona para o bloqueio da “Chutada” de Meio. Ocorre que ela, em algumas ocasiões, quer por imprecisão ou por qualquer outro motivo, passa exatamente no centro da rede ou um pouco mais à direita (visão do bloqueador) do centro. Logo, nas imediações do ponto em que B3 está posicionado. No caso, ele tem que se ajustar para bloqueá-la.

        

- Deslocar-se para sua esquerda, a fim de:

- bloquear a Bola do Fundo (juntamente com B4) levantada à esquerda do ponto em que o levantador (L);

           - bloquear a 2a. Bola, atacada pelo Oposto (OP) na extremidade da rede (pos. 2 da quadra oposta), nas combinações exemplificadas nos diags. 1, 2 e 3.

 


 

B2

 

É, juntamente com o B3, o responsável pelo bloqueio das bolas componentes do centro da combinação. Por isso deve se posicionar lado a lado com ele.

 

1a. Atribuição – Responsabilidade Principal.

 

- Bloqueio (duplo com B3) da 1a. Bola “Chutada” de Meio.

 

2a. Atribuição – Responsabilidade Secundária.

 

As atribuições de B2 são muito semelhantes às de B3. De acordo com a estratégia de bloqueio, ou ainda de alguma tática eventual, B2 deve considerar os mesmos elementos mencionados para B3.

- Deslocar-se para a sua direita, a fim de:

- ajustar-se para o bloqueio da 2ª. Bola, de A5, finalizada entre o ponto da 1ª. Bola;

- deslocar-se para o bloqueio da Bola de Ponta, de A5, na extremidade da rede (pos. 4 da quadra oposta).

 

- Deslocar-se para sua esquerda:

- participar do bloqueio da 2ª. Bola, finalizada no terço central;

- participar do bloqueio da Bola do Fundo, de A2, quando atacada no terço central da rede, juntamente com B3 ou até B4;

 

Nota

Repare nas setas tracejadas em verde. É a movimentação de B2 pra a defesa das bolas "largadas" atrás dos bloqueio, simples realizados por B3, e/ou duplo com B3 e B4, em bolas mais à esquerda do centro da rede. Uma vez que, é muito improvável sua participação nesses bloqueios; sobretudo quando a combinação é bem executada.

 

Nos diagramas a seguir, o posicionamento inicial. Fica lado a lado com B3, em frente ao ponto em a “Chutada” de Meio é levantada/atacada. Dali faz pequenos ajustes para o bloqueio das bolas à direita; é o primeiro a chegar.

 

 

 


 

B4

 

A fim de participar -efetivamente - do Bloqueio das bolas finalizadas no terço central da quadra, deve se posicionar na Formação Fechada; dali, realiza deslocamentos para direita e para esquerda.

 

- Desloca-se para a sua direita, a fim de:

- participar, juntamento com B3, do bloqueio da 2ª. Bola, fianlizada no terço central da rede;

- participar do bloqueio (individual ou duplo com B3) da Bola do Fundo, quando atacada no terço central da rede.

 

- Deslocar-se para sua esquerda:

- para o bloqueio da 2ª. Bola, finalizada entre o centro e a saída da rede, da quadra oposta;

- para o bloqueio da Bola do Fundo, quando atacada pela pos. 1, da quadra oposta.

 

Nestes dois casos ele é o primeiro a chegar ao ponto da rede em que o ataque é consumado. B3, na medida do possível, desloca-se para compor o bloqueio duplo. B2, não tem como participar do bloqueio; é o responsável pelas bolas “largadas”.

Da mesma maneira, quando a combinação é bem executada, B4 não tem como participar dos bloqueios da bolas atacadas além do centro da rede. No caso, é o responsável pelas "largadas".

 

 

 

Nota

Vale lembrar que a combinação, bem executada, é uma ação muito rápida, o que requer extrema velocidade de deslocamento de todos o bloqueadores.

 

Continuação no artigo 59 com os Procedimentos na Defesa no confronto com a mesma combinação.

 

Home

Ir para Menu Vôlei de Quadra