Estratégias/Táticas - Artigo 57

 

- Combinações de Ataque com 3 Atacantes na Rede.

- Com o Centro entre o Meio e a Entrada da Rede, com 3 Atacantes na Rede (cont. do art. 56).

- Procedimentos na Defesa.

No artigo 56, vimos os Procedimentos no Bloqueio. Neste, veremos os Procedimentos na Defesa, que devem levar em conta o Bloqueio. Isto é, os principais pontos de referências pelos quais os defensores se orientarão para adotarem seus posicionamentos.

A fim de encadear as duas funções, utilizaremos as mesmas combinações apresentadas na apresentação dos Procedimentos na Defesa; diagramas a seguir.

 

 

- Procedimentos na Defesa.

 

D1

 

Está posicionado bem próximo dos pontos, da rede, onde são atacadas a 1ª. Bola, “Chutada” de Meio, e a 2ª. Bola, entre a 1ª. Bola e a extremidade da rede. Aspecto que torna sua missão bastante difícil.

 

- Defesa das bolas atacadas que passam à direita do bloqueio, simples, duplo ou triplo.

- Defesa das bolas “largadas”:

- à direita do bloqueio de B2, dentro da zona de ataque, sobretudo quando este fecha a trajetória da bola para a diagonal;
- das demais bolas da combinação, atrás da linha de ataque até o centro da quadra.

- Defesa das bolas que tocam no bloqueio e saem da quadra pela linha lateral direita.

- Segunda ação, depois de defesa de um companheiro.

 

Nos diagramas a seguir, exemplos de aspectos relacionados à participação de D1. No diag.1, é possível reparar a proximidade dele com os pontos de ataque; a velocidade de reação diante de uma cortada forte, muitas vezes, não é suficiente para realizar uma defesa.

No diag. 2, o centro da combinação é praticamente no terço central da rede. Com isso, B2 está bem deslocado para esquerda. Logo, a área à direita do bloqueio (linhas tracejadas em verde) é propicia às "largadas". D1 é o responsável pela defesa das mesmas.

No diag. 3, o centro da combinação é praticamente no terço direito da rede. D1 está muito proximo em relação aos pontos de ataque das primeira e segunda bola. Logo, a defesa da bola "largada" não é sua atribuição; é de B4.

 

 

 


 

D5

 

- Defesa das bolas atacadas que passam à esquerda do bloqueio, simples, duplo ou triplo.

- Defesa das bolas “largadas”:

- à esquerda do bloqueio de B4, dentro da zona de ataque, sobretudo quando este fecha a trajetória da bola para a diagonal.
- das demais bolas da combinação, atrás da linha de ataque até o centro da quadra.

- Defesa das bolas que tocam no bloqueio e saem da quadra pela linha lateral direita.

- Segunda ação, depois de defesa de um companheiro.

 

Nos diagramas a seguir, dois exemplos sobre o posicionamento de D5.

No diag. 4, um posicionamento mais adiantado, uma vez que, é grande a probabilidade de passagem da bola à esquerda dos bloqueios; de B3 (primeira bola) e de B4 (bola de ponta, na pos. 2 da quadra oposta).

No diag. 5, outra hipótese. B3 e B4 (deslocado à direita) são os responsáveis pelo bloqueio da 1ª. Bola. No caso, repare que é grande o espaço para as "largadas". D5, no caso, é o responsável pela defesa das mesmas.

No diag. 6, uma outra simulação. B4 B3 formam o bloqueio duplo na bola de ponta (pos. 2 da quadra oposta). B3 no bloqueio simpes da primeira bola e B2 no da segunda. No primeiro caso, o espaço para a passagem da bola para a paralela é bem reduzido. Logo, D5 pode optar pela defesa da bola "largada".

 

 

 

Nota

Na apresentação dos procedimentos de D6 veremos de que maneira é possível posicioná-lo para auxiliar, tanto D5 quanto D1, no cumprimento de suas atribuições.

 


 

D6

 

A critéio do treinador e/ou diante de circunstâncias táticas, D5 pode se posicionar de três maneiras:

- no centro;

- no centro-direito;

- no centro-esquerdo.

 

O posicionamento no centro da quadra é ponto eqüidistante às duas linhas laterais. De acordo com a orientação tática ou com sua sensibilidade deslocar-se-á para à direita e/ou para à esquerda. Vale lembrar: depois do levantamento e, em algumas ocasiões, após o golpe de ataque.

O posicionamento – antecipado – para o flanco direito ou esquerdo tem em vista compor com D1 e/ou D5 uma formação em dupla a fim de guarnecer melhor um dos flancos da quadra, por exemplo, de maior incidência de ataques. Ou seja: D1 e D5 ficam dispostos para o ataques mais para baixo; D6 para o mais no fundo da quadra.

A fim de facilitar ao máximo o entendimento dos procedimentos, como tem sido feito anteriormente, vamos dividí-los pelos três posicionamentos mencionados.

 

- No posicionamento Centro da Quadra (diag. 6, a seguir) :

- defesa das bolas atacadas que passam, à direita, à esquerda, por cima e entre os bloqueadores, do centro para o fundo da quadra.

- defesa das bolas “largadas” do centro para o fundo da quadra, de uma linha lateral à outra;

- defesa das bolas que tocam no bloqueio e saem da quadra pelas linhas laterais (inclusive as que encobrem D1 e D5) e/ou pela linha do fundo.

- segunda ação da defesa, depois de qualquer toque dos companheiros.

 

Nos diagramas a seguir, sempre aproveitando as mesmas combinações como exemplo, coloco bloqueios simples e as trajetórias da 1ª. Bola (seta em vermelho), e das 2as. Bolas (seta em azul) passando à direita e à esquerda dos bloqueios. As setas tracejadas, em vemelho, representam os deslocamento de D6, para direita ou para esquerda. Ou seja, seu posicionamento inicial é rigorosamente no centro da quadra. Após o levantamento e de acordo com sua sensibilidade pode e deve deslocar-se para ajustar-se às tracetórias das bolas.

 

 

 

 

No Posicionamento Centro-Esquerdo da Quadra.

No conjunto de diagramas anterior, repare no diag. 8. D6 e D5 formam um conjunto para guarnecer melhor o flanco esquerdo da quadra. D5 está em posicionamento propício para a defesa das bolas atacadas mais para baixo. D6 para as bolas mais para o fundo da quadra. Logo, são suas atribuições.

 

- defesa das bolas atacadas que passam, à esquerda, por cima e entre os bloqueadores, do centro para o fundo, no flanco esquerdo da quadra.

- defesa das bolas “largadas” do centro para o fundo da quadra, de uma linha lateral à outra;

- defesa das bolas que tocam no bloqueio e saem da quadra pelas linhas laterais (inclusive as que encobrem D1 e D5) e/ou pela linha do fundo.

- segunda ação da defesa, depois de qualquer toque dos companheiros.

 

Nota

A colocação de D6 neste posicionamento pressupõe que, por característica dos atacantes ou por orientação tática, os atacantes da equipe adversária buscam mais este flanco da quadra.

 

- No posicionamento Centro-Direito da Quadra:

Também no conjunto de diagramas anterior, repare no diag. 9. D6 e D1 formam um conjunto para guarnecer melhor o flanco direito da quadra. D1 está em posicionamento propício para a defesa das bolas atacadas no primeiro terço (em relação à rede). D6 para as bolas mais para o fundo da quadra. Logo, são suas atribuições.

 

- defesa das bolas atacadas que passam, à direita, por cima e entre os bloqueadores, do centro para o fundo no flanco direito da quadra.

- defesa das bolas “largadas” do centro para o fundo da quadra, de uma linha lateral à outra;

- defesa das bolas que tocam no bloqueio e saem da quadra pelas linhas laterais (inclusive as que encobrem D1 e D5) e/ou pela linha do fundo.

- segunda ação da defesa, depois de qualquer toque dos companheiros.

 

Nota

Embora esteja deslocado mais para direita ou mais para esquerda, ele continua sendo o último homem da defesa. Digo isso porque é atribuição bastante difícil, defender bolas “largadas” (no fundo da quadra, de uma linha lateral a outra) recuperar bolas que tocam no bloqueio e saem (pelas linhas laterais e do fundo).

 

No artigo 58, Combinações com o Centro entre o Meio e a Entrada da Rede, com 3 Atacantes na Rede e 1 do Fundo

 

Home

Ir para Menu Vôlei de Quadra