Estratégias/Táticas - Artigo 49

 

- Estratégia/Táticas - Defensivas.

- Estratégia Defensiva p/ Neutralizar Combinações com o Centro entre o Meio e a Entrada da Rede (pos. 2).

- Combinações c/ 2 Atacantes na Rede e 1 do Fundo.

 

No artigo 48, apresentamos os procedimentos no bloqueio. Neste, focalizaremos os procedimentos da defesa. Para isso, utilizaremos as mesmas as combinações como exemplo.

- Procedimentos na Defesa.

Os procedimentos dos defensores, no confronto com estas combinações - com 1 atacante do fundo - diferem muito pouco em relação aos adotados para as combinações sem atacante do fundo. O atacante do fundo, largamente utilizado por equipes de alta competitividade, tem em vista suprir a necessidade de mais uma atacante. Ou seja, ele iguala o número de atacantes com os de bloqueadores, o que passa a requerer maior capacidade tanto dos bloqueadores quanto dos defensores. Como ele é acionado no ponto mais distante em relação ao centro da combinação, aumenta significativamente a probabilidade do ataque com bloqueio duplo "quebrado" e até mesmo simples.

 

D1

- Defesa das bolas atacadas e que passam à direita do bloqueio.

Nota

No caso da Bola do Fundo, devemos observar um aspecto. Caso o B4 opte por fechar a passagem da bola para a paralela, aumenta sua área de ação; ele deve entrar mais para dentro da quadra.

- Defesa das Bolas que passam entre os bloqueadores (nos casos de bloqueio duplo).

- Defesa das Bolas "largadas", à direita do bloqueio, dentro da zona de ataque.

 

Nota

A defesa da bola "largada" que passa à esquerda e/ou sobre o bloqueio, dentro da zona de ataque e/ou nas proximidades da mesma, cabe ao jogador que não participa do bloqueio.

- Com bloqueio duplo, ao B4;

- Com bloqueio simples:- B2, na 2a. Bola entre o levantador e o ponto da 1a. Bola;
 - B3, na 2a. Bola no terço central da rede;
 - B4 e B2, na 1a. Bola;

 

 

- Defesa das Bolas que ricocheteiam no bloqueio e saem pela linha lateral em que está posicionado.

- Segunda ação da defesa, após a defesa de um companheiro.

Nos diagramas a seguir, as combinações de ataque e o posicionamento do D1. Vamos nos valer de dois exemplos.

No diag. 1, os bloqueios são duplos para a Segunda Bola (de A2), finalizada no terço central da rede, e simples para a Primeira Bola (de A3).

No diag. 2 e 3, duplo para a Primeira Bola (de A3) e a Segunda Bola (de A2), entre o ponto em que a "Chutada" de Meio é levantada/atacada e a extremidade da rede, e simples para a Bola do Fundo (de A4), pela pos. 1 da quadra oposta.

Em todos os diagramas, D1 em azul escuro representa seu posicionamento inicial; em azul claro, após deslocamento para se adequar às diferentes trajetórias da bola.

 

 

 


 

D5

Antes de enumerar as atribuições de D5, considero importante comentar uma peculiaridade relativa à sua função. As equipes de alta competitividade adotam um artifício no bloqueio. Fecham - de modo deliberado - a passagem da bola para a paralela (diag. 4) ou para a diagonal (diag. 5 e 6).

A defesa da Bola do Fundo é atribuição das mais complicadas. No caso destas combinações, quando bem executadas, é grande a probabilidade de o atacante adversário encontrar apenas o bloqueio simples. B4, responsável pelo bloqueio, de acordo com as características do atacante, pode optar em fechar a paralela ou a diagonal.

No primeiro caso, torna praticamente nula a possibilidade do atacante colocar a bola na paralela. Logo, cresce a probabilidade das bolas "largadas", das que tocam no bloqueio e saem pela linha lateral.

No segundo, a faixa para a paralela aumenta consideravelmente. Logo, aumenta a ocorrência das cortadas fortes, bastante fortes.

Por conseguinte, o D5 deve ser defensor de extraordinária capacidade técnica para poder cumprir a função.

 

Nota

Nove entre dez equipes de alta competitividade conferem esta atribuição ao Líbero; de modo geral, o jogador de defesa mais capacitado.

 

 

- Defesa das bolas atacadas que passam à esquerda do bloqueio.

- Defesa das bolas mal "largadas" à esquerda do bloqueio e dentro da zona de ataque.

Nota

Com bloqueio simples, a defesa da bola "largada" é atribuição do bloqueador que não consegue compor os bloqueios duplos. Nos duplos (em que B4 está envolvido) é do bloqueador que não os compõem (B3 e B2), posicionado imediatamente à direita (visão do fundo da quadra) do ponto em que o ataque é finalizado. Por exemplo. B2 na Bola Atacada do Fundo e na Segunda Bola finalizada no terço central da rede (A2).

 

- Defesa das bolas que tocam no bloqueio e saem pela linha lateral.

- Segunda ação, após defesa de um companheiro.

 


 

D6

- Defesa das bolas atacadas que passam à direita, à esquerda, por cima e por entre os bloqueadores (nos casos de bloqueio duplo).

O posicionamento do D6 pode e deve ser adequado às características dos atacantes da equipe adversária. Por exemplo: os que atacam mais para a paralela, os que atacam mais para a diagonal, os que "largam" com frequência, os que são hábeis "explorando" o bloqueio, etc.

Quanto às probabilidades de ataque, podem ser circunstanciais ou efetivas. Por exemplo, num momento decisivo do jogo, determinado atacante recebe maior número de bolas do que os demais. Determinado tipo de bola é mais utilizado do que as demais, etc. Por isso, o D6 pode se posicionar, com antecedência:

- no centro da quadra;

- mais para a esquerda;

- mais para a direita.

Quando no centro da quadra, está equidistante em relação às bolas que passam à esquerda e à direita, as que passam entre os bloqueadores (nos caso de bloqueio duplo ou triplo), as que tocam no bloqueio e saem pelo fundo da quadra (inclusive as que encobrem o D1 e o D5) e, até, as mal atacadas, as mal "largadas", etc. Seu deslocamento para um dos lados ocorre, se ocorrer, no momento exato do ataque. No diagrama a seguir, é possível ter a noção.

 

 

Quando deslocado - antecipadamente para sua direita, forma com o D1 um conjunto para defender as bolas atacadas à direita do bloqueio. No diagrama a seguir, as bolas que passam à direita e/ou entre os bloqueadores entre as posições 6 e 1 da quadra. De modo geral, o posicionamento antecipado à direita tem em vista adequar-se às características do (dos) atacante (es) que visam mais o flanco direito da quadra.

 

 

Quando deslocado - antecipadamente para sua esquerda, forma com o D5 um conjunto para defender as bolas atacadas à esquerda do bloqueio. No diagrama a seguir, as bolas que passam à esquerda e/ou entre os bloqueadores entre as posições 6 e 5 da quadra. Da mesma maneira que o posicionamento à direita, o posicionamento à esquerda tem em vista adequar-se às características do (dos) atacante (es) que, visam mais o flanco direito da quadra.

 

 

- Defesa da bola "Meia Batida", no centro da quadra, do meio para a linha do fundo. De modo geral, ocorre com bolas levantadas fora da rede e que o atacante não tem possibilidade de atacar com potência.

- Defesa das bolas "largadas", sobre o bloqueio, na região central de quadra, do centro para a linha do fundo.

- Defesa das bolas que tocam no bloqueio e se dirigem para fora da quadra, pelo fundo da mesma, inclusive as que encobrem D1 e D5 - mobilizados para as defesa de bolas atacadas no primeiro terço da quadra.

- Segunda ação da defesa, após defesa de um dos companheiros.

 

Antes de finalizar o assunto, gostaria de tecer comentário sobre a constituição da composição defensiva de uma equipe. Tudo gira em torno das aptidões dos jogadores. Como o advento do Líbero, ocorreram algumas transformações. Quais sejam:

- com o Líbero na quadra;

- com o Líbero fora da quadra.

 

- Com o Líbero na quadra.

- o Líbero, por sua grande capacidade na função defensiva, é escalado, de modo geral, na pos. 5; ponto em de maior incidência de ataques fortes;

- o Levantador, tendo em vista facilitar sua infiltração na zona de ataque para o levantamento, é escalado na pos. 1;

 

Nota

Quando o Levantador está na rede, a pos. 1, de modo geral, fica por conta do Oposto, que quase sempre ataca do fundo pela pos. 1.

- os Atacantes que recepcionam o saque, e geralmente não saem para a entrada do Líbero. São escalados na pos. 6 em virtude de possuirem grande habilidade para recepcionar e defender.

 

- Com o Líbero fora da quadra.

- Os Atacantes-Receptores fazem as vezes do Líbero, isto é, posicionam-se nos pontos em que são requeridas maiores capacidades na defesa.

- O Levantador e/ou o Oposto são escalados na pos. 1.

- O Central - de modo geral é quem sai para a entrada do Líbero - é posicionado na pos. 5 ou 6.

 

Nota

Quase sempre ocorre o seguinte: o Atacante-Receptor ocupa a pos. 6, o Central a pos. 5; o Atacante-Receptor ocupa a pos. 5, o Central a pos. 6.

 

No próximo artigo (50), focalizaremos as mesmas combinações de ataque, com 2 atacantes do fundo.

 

Home

Ir para Menu Vôlei de Quadra