Estratégias/Táticas - Artigo 47

- Estratégia/Táticas - Defensivas.

- Estratégia Defensiva p/ Neutralizar Combinações com o Centro entre o Meio e a Entrada da Rede (pos. 2).

- Combinações c/ 2 Atacantes na Rede.

- Combinações com o Centro entre o Meio para a Entrada da Rede (pos. 4).

 

No art. 46, apresentamos os Procedimentos dos Bloqueadores para neutralizar a combinação. Neste, focalizaremos os Procedimentos na Defesa de todos os jogadores. Como exemplo, utilizaremos as mesmas Combinações de Ataque. Vale enfatizar: o rendimento do Sistema Defensivo resulta do cumprimento desses procedimentos.

 

- Procedimentos na Defesa.

Os defensores, como sempre, devem considerar que as combinações podem ser finalizadas com:

 

- bloqueio duplo;

- bloqueio simples;

- sem bloqueio.

 

1 - Defensores colocados na Posição Fundamental, aguardam o passe.

2 - Com o passe apropriado às combinações, permanecem na PF.

3 - Após o levantamento da bola para um dos atacantes da combinação, ajustam-se, a fim de ficarem de frente para o ataque.

Devem considerar os seguintes aspectos.

A - Ataque finalizado com bloqueio duplo ou triplo, grande probabilidade de sucesso do bloqueio ou do amortecimento da bola pelo bloqueio. Os defensores devem estar atentos às bolas ricocheteadas no bloqueio e às "largadas".

B - Ataque finalizado com bloqueio duplo "quebrado" ou simples. Menor possibilidade de sucesso do bloqueio. Os defensores devem estar atentos às bolas que passam entre os bloqueadores e às atacadas mais para baixo.

C - Ataque finalizado sem bloqueio. Probabilidade mínima de sucesso da defesa. Pela velocidade da bola, o tempo de reação do homem não é suficiente para sua realização.

O sucesso do Sistema Defensivo é consequência da produção eficaz dos bloqueadores e defensores; suas funções são interdependentes. Apresento a seguir, os procedimentos e atribuições dos defensores, independentemente da manobra de bloqueio executada e do número de bloqueadores.

 

D1

- Defesa das bolas atacadas à direita do bloqueio.

 

Nota

O posicionamento de D1 é bastante desfavorável. É grande a incidência de bolas atacadas com muita potência:

- da "Chutada" de Meio;

- das Meias Bolas atacadas imediatamente à direita (na visão do defensor) do ponto em que a "Chutada" de Meio.

Com um fator complicador: é muito curto o espaço entre o posicionamento do defensor e os pontos em que estas bolas são atacadas.

 

- Defesa das Bolas "Largadas" à direita do bloqueio, atrás da linha de ataque e da linha lateral (em que está posicionado) até o centro da quadra.

 

- Defesa de todas as bolas que ricocheteiam no bloqueio e saem da quadra á direita. No caso da 2a. Bola, atacada do centro para extremidade da rede, é grande a probabilidade das bolas atacadas que tocam no bloqueio e as "exploradas" do bloqueio; ambas, com elevada frequência, saem da quadra pela linha lateral próxima do ponto em que o D1 está posicionado.

- Segunda ação, após a defesa de um companheiro, em todas as bolas das combinações.

No diagramas a seguir, a representação gráfica do posicionamento de D1 e as direções das Bolas de Tempo e das 2as. Bolas.

No diag. 1, a bola "Chutada de Meio", atacada por A3, que passa à direita e/ou pelo meio do bloqueio duplo de B3 e B2 (setas tracejadas em vermelho). A Segunda Bola, atacada por A2, que passa à direita do bloqueio de B4.

 

Nota

Importante

1 - Cabem a D1 as bolas "largadas" à direita do bloqueio duplo, quando B2 salta para o bloqueio da "Chutada" de Meio No diag. 1, essa área está destacada com linha diagonais em verde;

2 - Cabem a B4 (bloqueador que não participada do bloqueio) as bolas "largadas" quando B2 e B3 bloqueiam as Segundas Bolas, entre o ponto que a "Chutada" de Meio é levantada/atacada e a extremidade da rede. Nos diag. 2 e 3, a movimentação representada pela seta tracejada em azul clarinho.

No caso de Bloqueio Simples, a bola "largada" e de responsabilidade do bloqueador, que não participa, imediatamente à esquerda. Por exemplo.

Nos diags. 1 e 2: bloqueio de B2, cabe ao B3; bloqueio de B3, cabe ao B4.

No diag. 3, bloqueio de B2, cabe ao B3; bloqueio de B3, cabe ao B4. Uma pergunta: por que B2 não recupera a bola "largada" quando do Bloqueio de B3? Pode até pegar, mas geralmente está a espera do atacante da Segunda Bola entre o ponto que a "Chutada" de Meio é levantada/atacada e a extremidade da rede.

 

 


 

D5

- Defesa das bolas atacadas à esquerda do bloqueio.

- Defesa das bolas "largadas" à esquerda do bloqueio. É sua atribuição a defesa das bolas "largadas" dentro da zona de ataque pelo atacante da 2a. Bola, entre o levantador e o ponto em que a 1a. Bola é levantada/atacada (centro da rede).

Nos diagramas a seguir, a área de atuação de D5. No diag. 4, duas observações:

1 - a Segunda Bola (seta tracejada em azul) é finalizada entre o ponto em que o Levantador se encontra e o ponto em que a "Chutada" de Meio é levantada/atacada. No caso de "largada", à esquerda do bloqueio e dentro da Zona de Ataque (área destacada com linhas diagonais em verde) , D5 é o responsável pela defesa, uma vez que, B4 está envolvido no bloqueio e B2 está na extremidade oposta (pos. 2) da quadra.

2 - a "largada" no ataque da "Chutada" de Meio (seta tracejada em vermelho), por A3, cabe ao B4.

Nos diagramas 5 e 6, B3 e B2 estão envolvidos nos bloqueios das Primeira e Segunda Bolas. Logo, a "largada" cabe a B4, que não participa. As setas diagonais tracejadas em azul claro representam seus deslocamentos.

 

 

 

 

- Defesa de todas as bolas que ricocheteiam no bloqueio e saem da quadra à esquerda.

- Segunda ação, após a defesa de um companheiro, em todas as bolas das combinações.

 


 

D6

- Defesa das Bolas atacadas no fundo da quadra, que passam pelo bloqueio (simples ou duplo) à esquerda e/ou à direita, por cima e, nos casos em que o bloqueio é duplo, entre os bloqueadores.

 

Notas

- As bolas atacadas no segundo terço da quadra são de responsabilidade do D1 e do D5. Desta maneira a quadra fica plenamente coberta, como está demonstrado no diagrama a seguir.

- O Posicionamento do D6 é no centro da quadra. De acordo com as características dos atacantes da equipe adversária, o D6 pode se posicionar, antecipadamente, mais à direita ou mais à esquerda.

No diagrama a seguir, como exemplo, a Combinação Between ou Aquela, como são populares no voleibol brasileiro. O ataque da 2a. Bola (de A3) entre o posicionamento em que se encontra o Levantador (L) e o ponto em que a "Chutada" de Meio é levantada/atacada. No caso, caso o ataque é no terço central da quadra. A trajetória da bola pode ser tanto para um flanco quanto do outro. Logo, D6 pode se posicionar no centro e, de acordo com sua percepção ou pode se posicionar antecipadamente mais para direita e/ou esquerda.

 

 

 

 

- Defesa das bolas atacadas por meio de "largada", "meia batida", mal atacadas, etc... na região central da quadra. No diagrama a seguir, está destacada a zona em que estes tipos de ataque são frequentes.

 

 

 

 

- Defesa das bolas que tocam no bloqueio e se dirigem para o fundo ou para fora da quadra. Inclusive as que encobrem o D1 e o D5.

- Segunda ação, após defesa de um companheiro, nas bolas que se dirigem para o fundo da quadra.

No grupo de diagramas a seguir, os três posicionamentos de D6. No diag. 9, no centro da quadra. No diag. 10, deslocado à direita, compondo com D1 a disposição defensiva para as bolas atacadas no flanco direito da quadra. No diag. 11, o contrário. Deslocado à esquerda, compondo com D5 a disposição para as bolas atadas no flanco esquerdo.

 

 

 

 

Nota

Nunca é demais lembrar que a função do D6 requer elevado discernimento tático individual. Ele deve tomar decisões - também - de acordo com sua sensibilidade, após a saída da bola das mãos do levantador. Vale lembrar que é mínimo o tempo tomar decisões de ordem tática e para deslocamentos.

 

Cont. no art. 48 com a Combinação com o Centro entre o Meio e a Entrada da Rede, com 2 Atacante na Rede e 1 do Fundo.

 

Home

Ir para Menu Vôlei de Quadra