Estratégias / Táticas - Artigo 80

 

- Estratégias / Táticas Ofensivas - Transições entre Sistemas.

 

- Transição dos Sistemas:    - do Defensivo para o Ofensivo;
  - do Ofensivo para o Defensivo.

      
                                                                                                                    

- Cobertura do Ataque e Re-Ataque.

 

Em continuidade às Transições entre o Sistemas – do defensivo para o ofensivo, do ofensivo para o defensivo – existe ação comum a ambos: A Cobertura do Ataque e Re-Ataque.

Na Transição do Sistema Defensivo para o Ofensivo o objetivo é o de conquistar a posse da bola e realizar o contra-ataque.

Na do Ofensivo para o Defensivo, o objetivo é o de mobilizar o sistema defensivo no caso de conquista de bola pela equipe adversária a fim de, na continuidade, conquistar a posse da bola e realizar o contra-ataque.

Resumindo: sempre que houver um ataque a equipe tem que se organizar para a Cobertura do Ataque (reveja artigos sobre a cobertura, a partir do 36 ). Recuperada a bola na Cobertura, a equipe tem que se mobilizar para Re-Atacar.

No diagrama 1, a disposição para a recepção do saque, com 3 Jogadores (D5, D6 e D1) – um dos quais pode ser o Líbero. E a combinação de ataque: A3, ataca uma China com 1 Pé na Saída da Rede; A4, uma Chutada na Extremidade da Rede (pos. 4).

No diagrama 2, o exemplo da Cobertura do Ataque, no caso de ataque por A4. Na primeira linha (tracejada) o Levantador (L) é sempre o primeiro homem; A3, que não recebeu a bola; D5, o correspondente (pos. 5). Na segunda linha, D1 e D6.

No diagrama 3, o exemplo no caso de ataque por A4. Na primeira linha (tracejada) o Levantador (L) é sempre o primeiro homem; D6 e D1, que se deslocam dos pontos em que se encontram na recepção do saque. Na segunda linha, A4, que não e está distante do ponto do ataque e D5.

 

 

No momento que a bola é recuperada pela cobertura, desencadeia-se a ação subsequente; o Re-Ataque. Isto é, todos os jogadores se deslocam para pontos em que fazem suas aproximações, de modo estarem prontos para receberem a bola e realizarem o ataque.

A maneira pela qual a equipe constrói o ataque depende do resultado da recuperação da bola. Pode ser.

 

- Suficiente / Não Ideal.

A bola é recuperada e o levantamento é executado de pontos fora da Zona de Levantamento. O ataque é realizado por meio de:

- Bolas Altas nas Extremidades da Rede

e/ou

- Bola do Fundo; obviamente, no caso da equipe dispor de atacantes com capacidade para o ataque deste tipo de bola.

 

No grupo de diagramas a seguir, os exemplos.

No diag. 4, a Combinação de Ataque (a mesma do exemplo anterior).

No diag. 5, o exemplo quando a bola é recuperada na cobertura do ataque na pos. 4, executado por A4. Os jogadores dispostos na Cobertura estão grafados em cores claras. O ponto em que a bola é levantada (L, em verde). Os deslocamentos dos atacantes para os pontos de ataque estão em linhas tracejadas em vermelho. A4 sai do ponto que se encontra recua para o que faz a aproximação final e parte para o ataque da Bola Alta na Extremidade da Rede (pos. 4); A3 se desloca para atacar a Bola Alta no Centro da Rede; D6, no exemplo, atacante de Bolas do Fundo, se desloca para o ataque pela pos. 1.

No diag. 6, o exemplo quando a bola é recuperada na pos. 2. O ataque se dá com A4, que ataca numa das extremidades da rede (pos. 4), A3, que ataca também a bola alta na pos. 2 e D6, que ataca a Bola do Fundo, pela pos. 6. O ponto em que a bola é levantada (L, em verde) é o mesmo.

 

 

- Ótima / Ideal.

 

A bola é recuperada e direcionada com boa altura para a Zona de Levantamento. Os atacantes têm tempo suficiente para se deslocarem para os pontos em que fazem suas Aproximações Finais e existe a possibilidade do levantamento ser executado pelo Levantador. Neste caso o ataque pode ser feito por meio de Combinações de Ataque.

Nos diagramas a seguir, os exemplos.


No diag. 7, a mesma combinação de ataque como exemplo.

No diag. 8, o exemplo quando a bola é recuperada em ataque na pos. 4. Os deslocamentos dos atacantes para os pontos e os trajetos que fazem para o ataque (linhas tracejadas em vermelho). A4 ataca a Bola Chutada na Extremidade da Rede (pos. 4), B3 a China com 1 Pé para a Saída da Rede e D6 (com círculo vermelho) a Bola do Fundo pela pos. 6.

No diag.9, o exemplo de uma ação por ocasião da recuperação da bola, pela cobertura, na pos. 2.

 

 

Nota

No Re-Ataque os jogadores devem estar atentos para, em caso de novo bloqueio, fazerem novamente a Cobertura do Ataque.

 

 

 

- Procedimentos dos Jogadores.

 

- Dos Atacantes e do Levantador.

- Apenas um dos quais recebe a bola para atacar. Os demais fazem suas aproximações de modo estarem prontos para recebê-la. No caso de não serem acionados, devem se deslocar, com velocidade máxima, para seus postos na Cobertura do Ataque.

- Nos exemplos apresentados nos grupos de diagramas anteriores, é possível verificar que o levantador e um dos atacantes (o da bola de 1º. Tempo, quando não recebe a bola) ocupam posto dentro da Zona de Ataque.

- De modo geral, o atacante da bola na extremidade da rede (pos. 4, no exemplo do diagramas) está distante do ponto em que a bola 1º. Tempo é atacada. Logo, não tem tempo para se deslocar e compor a Cobertura. Neste caso, ele recua para a Zona de Defesa, a fim de compor a segunda linha da mesma.

- O Levantador, sabendo para qual dos atacantes fará o levantamento, deve ser o primeiro a chegar ao seu posto na Cobertura.

 

- Dos Jogadores da Recepção do Saque.

- Tão logo a bola seja recepcionada, todos, exceto o atacante da Bola do Fundo, devem se aproximar para a Zona de Ataque, a fim de ficarem mais próximos dos pontos do ataque. Executado o levantamento, deslocam-se rapidamente para seus postos na Cobertura do Ataque.

 

- Aspectos que contribuem para o sucesso da Ação.

 

1 – A velocidade nos deslocamentos para os postos da Cobertura do Ataque. No exato momento do ataque a disposição tem que estar composta.

2 – A organização da disposição como todo. Ocorre com frequência jogadores se posicionarem muito próximos da rede. No caso, a tendência é a de que só consigam recuperar a bola que bate no bloqueio e volta verticalmente para o chão (fig. 1). O mais apropriado é a armação com vistas a recuperação de bolas que ricocheteiam e voltam mais atrás, no centro da quadra e mesmo no fundo da quadra (fig. 2).

Na representação gráfica a seguir, uma tentativa de exemplificar o exposto. Na fig. 1, a bola volta muito próxima da rede e, geralmente, com trajetória muito rápida. O que dificulta muito a recuperação pela Cobertura.

Na fig. 2, a trajetória da bola que bate no bloqueio e volta mais para trás. Neste caso, da recuperação torna-se mais fácil.

 

 

Nos diagramas a seguir, os exemplos de disposições para a Cobertura. No diag. 1, os jogadores postados muito próximos da rede; repare o espaço entre a primeira e a segunda linha da Cobertura. No diag. 2, a disposição em que os jogadores ficam afastados entre 2 e 3 metros em relação ao ponto do ataque; a quadra fica toda preenchida, sem espaços grandes.

 

 

3 – A bola bate no bloqueio e volta com velocidade e direção imprevisíveis. A recuperação da mesma é ação que requer velocidade de reação e grande habilidade. O jogadores, na medida do possível, devem tentar recuperá-la dando boa altura e direcionando-a para Zona de Levantamento; obviamente é a ação absolutamente certa.

4 – Muitas vezes, passar pelo bloqueio é praticamente impossível. Duas opções interessantes: “explorá-lo” e/ou tocar a bola contra o bloqueio, de modo que volte para ser recuperada pela cobertura. Ambas requerem grande habilidade ao atacante. Em ambas, é grande a probabilidade de recuperação pela cobertura e, por conseguinte, a realização do Re-Ataque.

 

Nota

As equipes asiáticas, por não terem muito poder de ataque, utilizam-se estrategicamente do artifício de tocar a bola contra o bloqueio, recuperá-la com a cobertura e re-atacá-la. Para isso, treinam exaustivamente a cobertura e a tática ofensiva. Obtêm excelente resultado. Obrigam seus adversários a se concentrarem o tempo todo de um jogo a fim de rearmar-se defensivamente com desembaraço. É comum escutarmos: "para jogar contra equipe asiáticas é necessária muita paciência".

 

5 – Recuperada a bola pela cobertura, como vimos anteriormente, pode ser ideal ou não ideal. Com a primeira, a tarefa é mais simples. Com a segunda, não, a dificuldade é enorme. De modo geral os jogadores estão todos fora de suas posições ideais para realizar o re-ataque. Logo, o aspecto mais importante é a iniciativa dos jogadores.

- Do Levantador.

a – deslocar-se o mais rapidamente possível e posicionar-se adequadamente sob a bola; ele é a principal referência para todos os atacantes.

c – no caso de ser possível atacar por meio de combinação de ataque, “marcar” (falar com a bola em jogo) a 1ª. Bola (Bola de 1º. Tempo); as demais dependem deste comando.

d – não sendo possível a combinação de ataque, todos sabem que a bola será Alta nas Extremidades da Rede e/ou do Fundo. Após o levantamento, deve dirigir-se, e chamar todos os companheiros, para uma nova cobertura.

 

- Dos Atacantes.

a – deslocamento, o mais rapidamente possível, dos pontos em que se encontram para os que fazem sua aproximações finais para o ataque; o que se sentir pronto para receber a bola, deve pedi-la.

b – tomar a iniciativa de pedir o levantamento do tipo de bola que for possível, sabendo que as condições para atacá-la não serão perfeitas; portanto, no momento em que partir para o ataque deve saber que terá que se utilizar de todos os recursos possíveis. Por exemplo, "explorar" o bloqueio, tocar a bola no bloqueio para a cobertura recuperá-la, etc.

c – na impossibilidade de receber a bola, dirigir-se imediatamente para seu posto numa nova cobertura do ataque.

 

Nota

 

A Cobertura do Ataque e o Re-Ataque podem se repetir mais vezes numa mesma bola em jogo (rally). Em duas ocasiões:

1 - Em bola atacada em que a defesa da equipe adversária não consegue controlar e a mesma volta para a equipe que a atacou; é a ação de Re-Ataque mais simples.

2 - Em novo ataque bloqueado; é ação mais complexa.

Em ambas todos os aspectos mencionados influenciam decisivamente para o sucesso do Re-Ataque.

 

Por fim, diante de tantos procedimentos e aspectos a serem observados tendo em vista o sucesso das transições, é evidente a necessidade de treinamento apuradíssimo de todas as componentes que contribuam para capacitar a equipe de realizá-las com bom desembaraço e com elas obterem pontos e vitórias.

 

Continuação no artigo 81, com a Ação Defesa-Defesa.

Home

Ir para Menu Vôlei de Quadra