Estratégias/Táticas - Artigo 74

- Estratégias / Táticas Ofensivas para Neutralizar as Combinações de Ataque.

- Treinamento Tático Coletivo para Neutralizar Combinações de Ataque.

- Sequência de Exercícios para o Treinamento Tático Coletivo para Neutralizar Combinações de Ataque.

- Sequência de Exercícios no. 3

 

Continuidade das sequências anteriores. Na sequência 01 o objetivo foi preparar os jogadores da Equipe em Treinamento (ET) para exercerem suas funções no bloqueio. Na sequência 02, os exercícios vincularam o bloqueio com a defesa. Os jogadores se revezaram nas duas funções; quando não estiverem bloqueando estarão defendendo e vice-versa.

Outro ponto importante: todos os jogadores praticarão o bloqueio e a defesa em todos os posicionamentos. Isto é, vamos partir do pressuposto que o treinador ainda não está numa fase, diria, específica. Mais tarde, não. Ele escala a equipe e, à sua maneira, vai individualizando as atribuições de cada qual.

Como fizemos nas sequências anteriores, vamos utilizar uma Combinação de Ataque, a mais utilizada pelas equipes de alta competitividade no Brasil e em todo o mundo.

A3 - atacante da Bola de Primeiro Tempo, que pode ser a Cabeça à Frente, ou "Chutada" de Meio, ou ainda a Cabeça Atrás.

Nota

Nos diagramas 1 e 2 o espaço em que A3 se utiliza para sua movimentação (está representada por uma linha horizontal tracejada em vermelho). Ou seja, deste espaço ele parte para o ataque de uma das três Bolas de Primeiro Tempo mencionadas.

A2 - atacante da segunda bola "Chutada" na Saída da Rede (pos. 2 da quadra oposta).

A5 - atacante de ponta, que está posicionado para a recepção do saque e ataca a Bola do Fundo pela pos. 6 (destacado em azul claro no diag. 2).

A4 - atacante da bola Chutada na Entrada da Rede (pos. 4 da quadra oposta).

 

Notas

- A recepção do saque é composta por três jogadores: A2, A6 ou o Líbero e A5.

- A2 é atacante que está na pos. 2 e participa da da recepção do saque.

- A5, atacante-passador, no diag. 2, ataca a Bola do Fundo pela pos. 6.

 

 

 

Nos diagramas a seguir, a combinação está apresentada com ordem de saque completamente diferente. Ou seja, com a rotação total:

L (levantador está na pos. 4);

A4 (oposto), na pos.1, não participa da recepção do saque, atada a Bola do Fundo pela pos. 1.

A2 (atacante-passador) na pos 5, participa da recepção do saque e ataca a Bola do Fundo pela pos. 6.

A5 (atacante-passador) na pos. 2, ataca a Bola "Chutada" na Entrada (pos. 4 da quadra oposta).

A3 (central) na pos. 6, é substituído pelo Libero.

A6 (central) na pos. 3, ataca uma das Bolas de Primeiro Tempo.

Notas

- Repare que neste rodízio (diag. 3) não coloco a Bola de Primeiro Tempo "Chutada" de Meio. Como A5 está na rede (sai para passar) a segunda bola é a "Chutada" na Entrada. Logo, as duas bolas ficariam muito próximas uma da outra. Por conseguinte facilitando a tarefa dos bloqueadores da equipe adversária.

- No diag. 4, uma das Bolas de Primeiro Tempo é a "China com um Pé na Saída da Rede". Peculiar às equipes femininas. No caso A4 e A2, atacantes das Bolas do Fundo, não são utilizados com a mesma efetividade que as utilizam as equipes masculinas. Uma observação: diante de recepções imperfeitas, A4 recebe a Bola do Fundo pela pos. 1; nos contra-ataques A2 é mais acionada.

 

 

 

 

À guisa de exemplo, vamos sugerir algumas estratégias defensivas tendo em vista neutralizar as combinações apresentadas nos diagramas 5 e 6. Não há muita diferença, apenas alguns ajustes. Vamos lá.

 

Estratégia para o Bloqueio.

Bloqueio no Posicionamento Fechado.

B3 e B4 se encarregando do bloqueio duplo das Bolas de Primeiro Tempo, Cabeça Frente e/ou Cabeça Atrás (ambas levantadas/atacadas na faixa tracejada em amarelo na linha central), como Atribuição Principal. B2 auxilia na Bola do Fundo, de A2, pela pos. 6.

Nota

No diag. 6, cujo as Bolas de Primeiro Tempo são a Cabeça Frente e "China com um Pé na Saída da Rede", a estratégia pode ser: B3 se encarrega pela bola levantada/atacada no terço central da rede (Cabeça Frente); B4 pela "China na Saída da Rede".

 

B3 tem como Atribuições Secundárias:

- se desloca à esquerda a fim de compor o bloqueio duplo, com B4, para a Bola do Fundo, de A4, pela pos. 1 da quadra oposta;

- à direita para compor o bloqueio duplo, com B2, para a Bola 'Chutada" na Entrada, de A5 (pos. 4 da quadra oposta).

A4 tem como Atribuições Secundárias:

- se desloca à esquerda (seta verde) para o bloqueio da Bola do Fundo, de A4, pela pos. 1 da quadra oposta;

- à direita para a Bola do Fundo, de A2, pela pos. 6.

A2 tem como Atribuição Secundária:

- se desloca à direita para o bloqueio da Bola "Chutada", de A5, na Entrada da Rede (pos. 4 da quadra oposta);

 

Nota

Como a ação, como todo, é extremamente rápida, não há tempo para os bloqueadores (B4 e B2) recuarem a fim de comporem a disposição defensiva. Logo, encarregam-se das bolas "largadas", sobretudo dentro da Zona de Ataque.

 

- Estratégia para a Defesa.

Formação Adiantada.

D1 - defesa das bolas que passam à direita pelos bloqueios.

D5 - defesa das bolas que passam à esquerda pelos bloqueios.

D6 - defesa das bolas que passam pelos bloqueios, à direita, à esquerda, pelo centro, por cima. De acordo com a orientação do treinador, pode se posicionar mais à direita/mais à esquerda.

 

Nota

As Bolas de Primeiro Tempo, as do Fundo e as 'Chutadas" nas Extremidades da rede são atacadas pra-ti-ca-men-te no mesmo tempo. Ou seja, não há tempo para deslocamentos. O possível são pequenos ajustes.

No caso de recepção do saque imperfeita e ou defesa em que a bola não chega a Zona de Levantamento, os defensores recuam e adotam posicionamento adequado a defesa das Bolas Altas nas extremidades da rede e/ou da Bola do Fundo, de A4, pela pos. 1 da quadra oposta; são as Bolas de Segurança.

 

 

 

 

Sequência de Exercícios No. 3.

O Treinador define as estratégias/táticas a serem treinadas. Explica as atribuições de seus jogadore, no bloqueio e na defesa. Chamo atenção para a necessidade de que seja feita para cada um dos seis rodízios, uma vez que, em cada qual, de modo geral, existe jogadores com caracterísiticas dieferentes.

 

15 - Um auxiliar no fundo da quadra da Equipe Oposta (EO) lança bolas na Zona de Levantamento, a fim de que a combinação seja executada. Neste exato momento todos os jogadores da Equipe em Treinamento (ET) devem estar posicionados para realizar a tarefa. Levantada a bola a EO realiza a combinação; a ET tenta marcar o ponto pelo bloqueio direto a a conquista da posse da bola pela defesa. Neste último caso, o jogo continua até que uma das equipes marque o ponto.

16 - Mesma dinâmica, com uma diferença. No caso de a EO marcar o ponto na primeira ação, o auxiliar lança uma segunda bola imediatamente, para a EO realizar a combinação novamente.

17 - Agora, a bola entra em jogo com o saque da equipe me treinamento (ET). A EO recepciona e realiza a combinação de ataque. Caso a ET marque o ponto, o auxiliar lança uma bola na quadra da DO. Caso a DO marque o ponto, o auxiliar lança a bola na quadra da ET.

18 - Idem ex. 17. As bolas são lançada sucessivamente em uma ou em outra, de maneira que que haja sucessões de "rallyes". Importante: se os rallyes forem muito intensos, não exceder 60 segundos. A cada período de 60 segundos um pequeno intervalo para descanso.

19 - A dinâmica agora em forma de jogo. Só a DT saca. O jogo, de 21 pontos, começa com 0 x 8 para a DT. A DO recepciona, levanta e ataca a fim de marcar os pontos e tirar a diferença e vencer o jogo. A DT bloqueia e/ou defende e, conquistando a posse da bola, executa os contra-ataques, a fim de ganhar o set.

 

- Aspectos a serem observados durante a execução dos Exercícios.

1 - Não custa lembrar que o treinador deve cobrar, sobretudo dos jogadores da equipe oponente, a comprometimento com os acertos. A dupla em treinamento é que está praticando. Logo, os jogadores da DO devem colaborar, evitando erros sucessivos; muitas vezes, por exemplo, atacam para fora por quererem sair de mais dos bloqueios, atacam bolas inatacáveis em vez de colocar a bola em jogo, etc.

2 - É fundamental que todos os jogadores entendam que é fundamental uma atmosfera de absoluta concentração.

3 - No sistema de jogo (exercício 19) o treinador estabelece o número de tentativas que a DT terá para conseguir o objetivo.

4 - Importante: no sistema de jogo, a DT deve sacar com responsabilidade, sabendo que os erros de saque resultam em ponto para a DO.

5 - A ideia é a de simular o mais fidedignamente possível a realidade de um jogo.

 

Continuação no art. 74 b, uma outra Sequência de Exercícios

 

Home

Ir para Menu Vôlei de Quadra