Estratégias/Táticas - Artigo 73

- Estratégias / Táticas Ofensivas para Neutralizar as Combinações de Ataque.

- Treinamento Tático Coletivo para Neutralizar Combinações de Ataque.

- Sequência de Exercícios para o Treinamento Tático Coletivo para Neutralizar Combinações de Ataque.

- Sequência de Exercícios no. 2

 

Na seqüência no 1, todos os jogadores da equipe em treinamento (ET) participaram da prática em que o bloqueio foi a única atividade. Nesta seqüência os exercícios vincularão o bloqueio com a defesa. Logo, os jogadores se revezarão nas duas funções. Ou seja, quando não estiverem bloqueando estarão defendendo e vice-versa.

Outro ponto importante: todos os jogadores praticarão o bloqueio e a defesa em todos os posicionamentos. Isto é, vamos partir do pressuposto que o treinador ainda não está numa fase, diria, específica. Mais tarde, não. Ele escala a equipe e, à sua maneira, vai individualizando as atribuições de cada qual.

Como fizemos na seqüência 1, vamos utilizar uma Combinação de Ataque, Desmico da Cabeça à Frente (diagrama a seguir) a fim de facilitar a apresentação dos exercícios.

A3 - atacante da bola de primeiro tempo Cabeça à Frente (seta tracejada em vermelho);

A2 - atacante da segunda bola Desmico (seta tracejada em azul escuro) e/ou Volta da Desmico (seta tracejada em azul claro).

A4 - atacante da bola na extremidade da rede (pos. 4 da quadra oposta).

 

Notas

- A recepção do saque é composta por três jogadores: A2, A6 ou o Líbero e A5.

- A2 é atacante que está na pos. 2 e participada da recepção do saque.

- A Volta da Desmico é um variação da Desmico da Cabeça à Frente.

 

 

 

 

 

06 – Este exercício é realizado em 2 Movimentos:

Movimento 1. A equipe em treinamento (ET) disposta no posicionamento defensivo inicial – bloqueio e defesa. No bloqueio, os atletas na Formação Fechada. Na defesa os jogadores dispostos no posicionamento mais à frente, a fim de defender a bola de primeiro tempo. No diagrama a seguir, estão demonstrados os posicionamentos.

 

 

 

 

O treinador define a Estratégia Defensiva, como todo. No Bloqueio, por exemplo.

 

Ataque de A3:   - Bloqueio Simples - [B3]
  - Bloqueio Duplo        - [B4-B3]

 

Repare que no Bloqueio Duplo B4 e B3 se posicionam lado a lado; a prioridade é o bloqueio da Cabeça à Frente.

A bola "largada" atrás do bloqueio cabe a A2, tanto no bloqueio simples quanto no duplo. No Simples, B4 pode se encarregar também. Por que é melhor que seja A2? B4 pode ter que se deslocar para o bloqueio da Volta da Desmico, que é levantada/atacada em espaço de tempo muito mais curto do que a terceira bola, na extremidade da rede (pos. 4 da quadra oposta). Ou seja, A2 tem um tempo a mais para o bloqueio.

 

 

           

 

 

Ataque de A2, Desmico da Cabeça Frente :   - Bloqueio Simples - B4 no bloqueio da Cabça Frente e B3 na da Desmico
  - Bloqueio Duplo        - [B4-B3] bloqueiam a Cabeça Frente e a Desmico

 

No diagrama 5, a manobra em que B4 é o responsável pelo bloqueio da Bola de Primeiro Tempo, Cabeça à Frente. B3, no caso, aguarda no centro da rede para o bloqueio da Desmico.

 

Notas

- Esta manobra é adequada no confronto com equipes de iniciantes (de escolas, de base) em que os atacantes adversários não possuem grande desembaraço. Não é apropriada contra equipes de alta competitivida. Uma vez que quando adversários percebem a manobra, em vez de atacarem a Desmico, mudam a direção e atacam:

- a Volta da Desmico, na pos. 2 da quadra oposta (que será focalizada a seguir);

- a Bola do Fundo pela pos 1 da quadra oposta.

Essas variações tiram de B3 de qualquer possibilidade de participação no bloqueio dessas bolas.

- Mais um aspecto. Atualmente, as equipes de alta competitivida dispõesm de jogadores com elevadas estaturas. Logo, eles graduam os saltos. Ou seja, conseguem saltar duas vezes consecutivas em curto espaço de tempo. De modo geral, conseguem saltar para o bloqueo da Cabeça Frente e da Desmico.

 

No diagrma 6, a manobra com bloqueio duplo para ambas as bolas: Cabeça Frente e Desmico.(mencionada na nota anterior). B3 e B4 se posicionam lado a lago, no terço central da rede. Saltam para o bloqueio da Cabeça Frente, pousam e saltam novamente para o da Desmico.

 

Nota

Os dois bloqueadores devem ter boa estatura e elevado discernimento tático. A fim de decidirem - com a bola em jogo:

- se saltam o máximo para o bloqueio da Cabeça Frente e o que for possivel para o da Desmico;

- se saltam pouco para o bloqueio da Cabeça Frente e o máximo para o da Desmico;

- se não saltam para o bloqueio da Cabeça Frente e esperam para o da Desmico.

Importante: B2, posicionado na Formação Fecada pode se deslocar à esquerda e participar do bloqueio da Desmico (seta horizontar em vermelho).

 

 

 

No diagrma 6, onde está grafado B3 e B2 (lado a lado) leia-se B4 e B3.

 

Ataque de A2, Volta Desmico :   - Bloqueio Simples - B4 no bloqueio da Cabça Frente
  - Bloqueio Duplo        - [B4-B3] bloqueiam a Cabeça Frente e se deslocam para o bloqueio da Volta da Desmico

 

No diagrama 7, Bloqueio Simples para a Volta da Desmico. B3 e B4 estão posicionados lado a lado para os bloqueios da Cabeça Frente e/ou para o da Desmico. A2, muda a direção e ataca a Volta da Desmico, na pos. 2 da quadra oposta (seta em tracejada verde). B4 se desloca a fim de tentar o bloqueio individualmente (seta traceja em vermelho).

No diagrama 8, a diferença é que posicionados lado a lado, no terço central da rede, deslocam-se à esquerda a fim de realizarem o Bloqueio Duplo da Volta da Desmico.

 

 

 

 

Ataque de A4, na Extremidade da Rede:   - Bloqueio Simples - B2 no bloqueio, fechando a passagem da bola: - para a paralela;
      - para a diagonal.
 

- Bloqueio Duplo        

- Bloqueio Duplo, com B3 e B2,

 

 

No diagrama 9, B2 no Posicionamento Fechado (a fim de participar do bloqueio da Desmico, como terceiro homem) se desloca e se posiciona de acordo com o que esta estabelecido. Por exemplo:

- mais para dentro da quadra, para fechar a passagem da bola para a diagonal;

- mais próximo da linha lateral (como está demonstrado no diagrama) a fim de fechar a passagem da bola para a paralela.

A defesa bola "largada" atrás do bloqueio, dentro da Zona de Ataque, é atribuição de B3.

No diagrama 10, B3 está posicionado para o bloqueio, no terço central da quadra, envolvido no núcleo da combinação; Cabeça Frente e Desmico. B2, no Posicionamento Fechado tendo em vista participar, como terceiro homem, do bloqueio da Desmico. A bola é levantada para a pos. 4 da quadra oposta. Ambos se deslocam a fim de comporem o Bloqueio Duplo diante do Ataque de A4. As setas tracejada em vermelho significam tais deslocamentos. B4, também envolvido no núcleo da combinação, não tem tempo de recuar para compor a formação defensiva. Logo, segue o movimento da bola e se encarrega da defesa da bola "largada", atrás do bloqueio, dentro da Zona de Ataque.

 

 

 

Na defesa, por exemplo.

 

A cobertura para a bola “largada”, para todas as bolas: - sem cobertura
  - pelo bloqueador que não participa do bloqueio.
  - pelos correspondentes

 

 

Posicionamento Defesa Centro (D6):                               - no centro
  - deslocado para a pos. 1
  - deslocado para a pos. 5

   

Estabelecida a Estratégia e os respectivos procedimentos para cada uma das bolas da combinação, vamos à complementação do exercício.

 

Ex. 06 - O treinador ou um colaborador lança a bola na linha de ataque da equipe oponente (EO) e deste ponto sai o levantamento, exclusivamente, da 1ª. Bola, Cabeça à Frente.

A equipe em treinamento (ET) tenta:

- o ponto direto (por meio do bloqueio);

- ou o toque no bloqueio, a conquista da posse de bola e contra-ataque;

- ou conquista da posse da bola pela defesa e contra-ataque.

 

Movimento 2. Conseguindo o bloqueio-ponto (em que a bola “morre”) e/ou não conseguindo a posse da bola pela defesa, o treinador lança uma segunda bola. Neste exato momento, as duas equipes (ET e EO) já devem estar nos posicionamentos iniciais para nova bola em jogo.

Caso a EO consiga a posse da bola, o jogo continua, ou seja, pode realizar o contra-ataque e assim por diante até que a bola "morra".

 

07 – Idem 06, com dois jogadores (B3 e B4) tentando o bloqueio da 1ª. Bola, Cabeça à Frente. Importante chamar atenção para os jogadores dos dois times têm que estar nos seus posicionamentos iniciais por ocasião da segunda bola lançada pelo treinador.

 

08 – Idem 06, com equipe oponente levantando, exclusivamente, a 2ª. Bola, Desmico no terço central da rede. O bloqueio é feito por B3. De acordo com a estratégia defensiva, a cobertura da bola “largada” deve ser feita por B4 e B2, que não participam do bloqueio.

 

09 – Idem 08, com B3 e B4 no bloqueio. B2, que não bloqueia, cobre a “largada”.

 

10 – Idem 09, com B3, B4 e B2 se aproximando para participar do bloqueio.. O treinador deve designar a maneira pela qual a equipe fará a cobertura da bola “largada”.

 

11 - Agora o bloqueio da Volta da Desmico, finalizada na pos. 2 da quadra oposta, por B4. A defesa "largada" é atribuição de B3.

12 - Idem ex. 11, com o bloqueio Duplo por B4 e B3. A cobertura do bloqueio é responsabilidade de B2.

13 – Mesma dinâmica dos exercícios anteriores, com a equipe oponente (EO) levantando, exclusivamente, a 3ª. Bola – “Chutada” na Entrada da Rede (pos. 4, da quadra oposta). O bloqueio é feito por B2. B3 cobre a bola “largada”.

14 – Mesma dinâmica dos exercícios anteriores, com bloqueio duplo de B3 e B3. B4, que não participa do bloqueio, cobre para a bola “largada”. A segunda bola só deve ser lançada pelo treinador quando da chegada do bloqueador central (B3) ao seu posicionamento inicial. A razão: o percurso entre o ponto em que a bola é levantada/atacada e o centro da rede é um pouco mais longo.

 

- Aspectos a serem observados durante a realização dos exercícios.

 

1 – O treinamento tático coletivo tem vista a formatação defensiva da equipe. Antes do início de todos os exercícios todos os jogadores devem estar sabendo de todas as suas atribuições. O que vale para uma equipe de alto nível pode não valer para uma de base. No entanto, há algo em comum: o posicionamento inicial no momento em que a bola entra em jogo e por ocasião das transições entre os sistemas; do defensivo para o ofensivo e do ofensivo para o defensivo. Os exercícios desta sequência e das que se seguirão são excelentes para apurar a velocidade com que os jogadores têm que se deslocar de um posicionamento para o outro. Logo, o treinador deve ser implacável na cobrança, a fim de que esse objetivo seja alcançado. Um pensamento: é item em que não depende de habilidade; depende, acima de tudo, de concentração.

2 – A vinculação entre a defesa e o bloqueio deve ser observada. Para isso, é essencial o que está mencionado no item 1, ou seja, no momento em que a bola entra em jogo (lançamento das bolas):

- todos os jogadores, bloqueadores e defensores, têm que estar no posicionamento inicial;

- devem estar estabelecidos a marcação do bloqueio e o posicionamento de dos defensores para cada bola.

Sobre o segundo item, um exemplo. O posicionamento do Jogador Defesa-Centro (D6). Ele tem que estar preparado para diferentes posicionamentos na defesa.

 

No diagrama a seguir, estão destacadas duas bolas da combinação, a 1ª. Bola e a 3ª. Bola. O treinador pode posicionar D6:

- no centro da quadra, deslocando para a direita ou para a equerda;

- mais para a direita, por exemplo, a fim de ajudar o D1 para a defesa da bola “Chutada”, atacada na paralela e da Cabeça à Frente, atacada na diagonal;

- mais para a esquerda, a fim de ajudar o D5 para, por exemplo, a defesa da bola Volta da Desmico, atacada na paralela e da “Chutada”, atacada na diagonal.

 

 

 

3 – O treinador ou o colaborador que lança as segundas bolas deve perceber, no momento do lançamento da segunda, se as equipes estão posicionadas devidamente. Neste caso, ele deve dar o comando, corrigir um ou outro jogador que esteja atrasado. Ao mesmo tempo, estimular os jogadores que façam o mesmo.

4 - Ao longo de toda a sessão do treinamento o treinador deve chamar atenção dos jogadores para aspectos táticos individuais. No bloqueio, por exemplo: a marcação, o tempo de bloqueio, a graduação dos saltos. Na defesa: o posicionamento do levantador, a distância e a altura da bola, em relação à rede; a aproximação dos atacantes, os movimentos do atacante no momento do golpe, etc.

 

Continuação no art. 74 com outra Sequência de Exercícios.

 

Home

Ir para Menu Vôlei de Quadra