Estratégias/Táticas - Artigo 66

- Estratégias / Táticas Ofensivas para Neutralizar as Combinações de Ataque.

- Combinações de Ataque com 3 na Rede - 2 Atacantes no Primeiro Tempo - e 1 do Fundo.

- Combinações com o Centro entre o Meio para a Saída da Rede (pos. 2).

 

- Procedimentos na Defesa.

 

A Combinação de Ataque com dois atacantes no 1º. Tempo é ação extremamente rápida. A eficácia da estratégia e/ou das táticas ofensivas, como mencionado anteriormente, depende muito da produção dos bloqueadores e do discernimento tático individual dos defensores.

Para isso, é fundamental que bloqueio e defesa atuem em sintonia e individualmente, os jogadores possuam bastante entrosamento.

 

D1

 

A combinação bem executada dificulta muito o cumprimento das atribuições dos defensores. Os ataques são realizados, muitas vezes, com bloqueio simples e até sem bloqueio. No caso do D1, é mínima a distância do ponto que está posicionado em relação aos ataques da bola de tempo, Cabeça Frente (A4), e ao da Bola de Ponta (A5). Portanto, o defensor precisa de muita capacidade para realizar sua tarefa.

 

- Defesa das bolas atacadas e que passam à direita dos bloqueios.

- Defesa das bolas “largadas” atrás e/ou à direita de B2 (bloqueador da bola de ponta), de acordo com o seguinte raciocínio:

            - Quando B2 fechar a passagem da bola para a paralela, “largada” atrás do bloqueio;

            - Quando B2 saltar para o bloqueio de uma das 1as. Bolas, como por exemplo, a disposição apresentada no diag. 2, “largada” à direita do bloqueio.

Nos casos de outras “largadas”, sobretudo dentro da Zona de Ataque, a responsabilidade pela defesa é do bloqueador que não participa do bloqueio.

 

Nota

Como os bloqueadores B3 e B4 podem estar saltando para o bloqueio das duas 1as. Bolas, talvez não tenham tempo para defender uma bola “largada”, contudo devem ter o expediente de pousar no solo e tentar o deslocamento para o ponto em que a bola está sendo atacada.

 

- Defesa das bolas que tocam no bloqueio e saem pela linha lateral direita.

- Segunda ação da defesa.

Nos diagramas a seguir, disposições possíveis/hipotéticas de bloqueio. As setas tracejadas em cores significam trajetórias das bolas. Os retângulos em azul claro representam a área de atuação do D1. As setas em azul, ajustes de posicionamento de acordo com o ponto em que as bolas são levantadas/atacadas e com as trajetórias das mesmas.

 

 

 


 

D5

 

A fim de desincumbir-se de suas atribuições, D5 deve considerar aspectos inerentes às mesmas. Por exemplo:

1 - Na combinação apresentada no diagrama 4, B4 tem duas atribuições: bloqueio de uma das bolas de tempo (Cabeça Atrás) e da Bola de Fundo, pela pos. 1. Seu posicionamento inicial é mais para o terço central da rede, para o bloqueio da Cabeça Atrás. Levantada a Bola do Fundo ele tem que se deslocar (seta tracejada em azul) e tomar uma decisão: fechar a passagem da trajetória da bola para a diagonal ou para a diagonal. Dependendo desta decisão ele se prepara para a defesa da bola cortada, cuja trajetória é muito rápida, ou da bola “largada”, dentro da Zona de Ataque.

2 - Nas combinações apresentadas nos diagramas 5 e 6, a Bola do Fundo é atacada pela pos. 6 e passa, de modo geral, do terço central da rede para a direita. O direcionamento para o ponto em que D5 está posicionado é pouco provável. Todavia, cresce bastante a probabilidade de ataque da bola Cabeça Atrás, do tipo Passada que, geralmente, é largamente atacada para o flanco que D5 está posicionado. E mais, D5 encontra-se muito próximo do ponto da rede em que a mesma é atacada. O que torna ínfimo o tempo de reação para a defesa.

3 - Em todas as combinações ele tem que se deslocar mais para o centro da quadra (seta tracejada em azul claro), a fim de adequar seu posicionamento para a defesa da bola de tempo Cabeça Frente e/ou de Ponta, pela pos. 4.

Nota

Em virtude da dificuldade mencionada para B4 desimcumbir-se de sua atribições e, consequentemente, do acúmulo de atribuições de D5, de modo geral, a maioria das equipes utiliza o Líbero para a função.

 

 

 

 

A seguir, resumo de suas atribuições.

 

- Defesa das bolas atacadas por meio de cortada e que passam à esquerda dos bloqueios.

- Defesa das bolas “largadas” à esquerda dos bloqueio, dentro da Zona de Ataque, sobretudo as à esquerda do bloqueio de B4.

- Defesa das bolas que tocam no bloqueio e saem da quadra pela linha lateral esquerda.

- Segunda ação, após defesa de um companheiro.

 


 

D6

 

É prática comum posicionar o defensor da posição 6 (D6) em três pontos da quadra.

- Exatamente no centro da quadra. Deste ponto, de acordo com qualquer alternativa tática do adversário e/ou com sua sensibilidade, ele continua no centro ou se desloca à esquerda/direita.

- Deslocado para a esquerda. A fim de, em conjunto com o D5, ocupar espaço, por exemplo, de maior incidência de bolas atacadas; em determinado rodízio ou por determinado atacante muito acionado.

- Deslocado para a direita. A fim de, em conjunto com o D1, ocupar espaço, por exemplo, de maior incidência de bolas atacadas; em determinado rodízio ou por determinado atacante muito acionado.

 

Nota

No grupo de diagramas a seguir, utilizo, à guisa de exemplo, os três posicionamentos de D6. Repare que o coloco deslocado para esquerda na combinação em que é maior a probabilidade de ataques no flanco esquerdo da quadra.

 

 

São suas atribuições.

 

- Deslocado para a esquerda (diag. 7).

            - Defesa das bolas atacadas à esquerda dos bloqueios.

            - Defesa das bolas “largadas” à esquerda de B4 (principalmente da Bola do Fundo e da Cabeça Atrás), dentro da Zona de Ataque.

            - Defesa das bolas que tocam no bloqueio e saem pela linha lateral esquerda.

 

Nota

No ataque da Bola do Fundo, em que D5 fecha a trajetória da bola para a paralela, é muito frequente os ricocheteios da mesma no bloqueio. O bloqueio é executado no limite da área de jogo da rede.

 

- Deslocado para a direita (diag. 8).

            - Defesa das bolas atacadas à direita dos bloqueios.

            - Defesa das bolas “largadas” à esquerda dos bloqueios, dentro da Zona de Ataque. Sobretudo, nas que o B2 está envolvido (Bola de Ponta e da Cabeça Frente).

            - Defesa das bolas que tocam no bloqueio e saem pela linha lateral direita.

 

- Posicionado no Centro da Quadra (diag. 9).

 

- Defesa das bolas atacadas que passam:

- à esquerda e/ou à direita dos bloqueios, do centro para o fundo da quadra.

- por cima dos bloqueios;

- entre os bloqueadores (quando bloqueio duplo ou triplo).

 

- Defesa das bolas “largadas”, do centro para o fundo da quadra.

- Defesa das bolas que tocam no bloqueio e saem da quadra pelas linhas:

- lateral esquerda (que encobre o D5);

- lateral direita (que encobre o D1);

- do fundo.

Notas

- É muito comum, diante de más recepções do saque, o D6 se posicionar nas imediações da linha do fundo ou até fora da quadra, a fim de recuperar bolas que tocam no bloqueio.

- Seja qual for seu posicionamento, D6 é o segundo homem da defesa, em bolas que qualquer dos companheiros consegue a defesa parcial e estas se dirigem para o fundo da quadra.

 

Cont. no artigo 67 com Combinações com o Centro entre o Meio e a Entada da Rede (pos. 4).

 

Home

Ir para Menu Vôlei de Quadra